sábado, 31 de julho de 2010

A Rolleyflex invisível de Robert Doisneau

O fotógrafo Robert Doisneau cuidadosamente escondeu sua câmera Rolleyflex em uma cadeira antiga que estava em exibição numa galeria de arte para não ser percebido.

O ensaio intitulado “Un Regard Oblique”, feito em 1948, pelo fotógrafo francês Robert Doisneau para a revista LIFE, foi realizado com o costumeiro toque de humor do fotógrafo. Embora tenha sido definido como um momento decisivo, a verdade é que Doisneau cuidadosamente posicionou sua câmera Rolleyflex em uma cadeira antiga que estava em exibição numa galeria de arte no 5 º arrondissement, em Paris. Na imagem acima um casal olha para a vitrine e o homem fica fascinado pelo quadro de uma mulher nua. Várias fotos foram feitas para o ensaio, mas essa é sem duvida a mais conhecida da série.

sexta-feira, 30 de julho de 2010

Neto do fotógrafo Ansel Adams contesta laudo de peritos

Essa é uma das imagens adquiridas por Rick Norsigian numa venda de garagem, que seriam de autoria do fotógrafo norte-americano Ansel Adams.

Esta semana, uma equipe de peritos confirmou que os negativos, comprados em 2000 por um professor de Fresno, na Califórnia, numa venda de garagem, eram da autoria do fotógrafo norte-americano Ansel Adams e que valiam 200 milhões de dólares (150 milhões de euros), bem mais do que os 45 dólares que Rick Norsigian pagou na altura. Numa entrevista ao jornal português Público, Matthew Adams, neto de Ansel Adams, que também é presidente da Ansel Adams Gallery no Yosemite Park, onde existe uma coleção importante dos seus originais - conta como o avô era meticuloso na sua arte: registrava tudo o que fotografava e, em cada imagem que fazia, anotava o tempo de exposição usado. Era desta forma que Ansel - é assim que a ele se refere o neto -aperfeiçoava, em cada fotografia, a técnica de revelação. Matthew Adams começa por dizer que nunca o avô deixaria negativos sem ser ao seu cuidado e que o anúncio pela equipe de especialistas, "com tão poucas provas", é "irresponsável", além de "falso". Não imagina como chegaram ao valor de 200 milhões de dólares. Mas garante que não pode ser verdadeiro, para 61 negativos, de supostas imagens de início de carreira, quando o valor recorde atingido num leilão recente para uma impressão do próprio fotógrafo foi de 720 mil dólares. Leia a matéria na integra no jornal Público Aqui

Boris Kossoy inaugura mostra no festival "A Gosto da Fotografia", em Salvador

© Foto de Boris Kossoy. O Maestro, 1970.

A partir de hoje, sexta-feira, dia 30 de julho de 2010, às 19 horas, o Museu de Arte da Bahia (MAB) entra no circuito do importante e celebrado festival A Gosto da Fotografia, que no seu sexto ano escolheu o MAB como espaço para um dos destaques do evento: a mostra O Caleidoscópio e a Câmera, uma grande leitura das obras do fotógrafo e pesquisador paulista Boris Kossoy. São 140 imagens, coloridas e em preto-e-branco, que contemplam desde o primeiro registro feito na avenida São João, em São Paulo, no ano de 1955, até a série de inéditos produzidos nas últimas duas décadas, período em que o artista se recolheu. O Caleidoscópio e a Câmera é o resultado deste silêncio. A mostra pode ser vista até 05 de setembro. No sábado (31/07), Kossoy, que é considerado precursor do realismo fantástico no país e um dos maiores estudiosos da fotografia no Brasil, conversa com o público sobre o seu trabalho, a partir das 17h, no MAB. As inscrições para este bate-papo são limitadas e podem ser feitas no Setor Educativo do Museu de Arte da Bahia, no Corredor da Vitória. O projeto A Gosto da Fotografia 2010 é realizado pelo Instituto Casa da Photographia de Salvador, em parceria com a Pinacoteca do Estado de São Paulo, e patrocinado pela Oi Futuro, através do Faz Cultura, programa desenvolvido pela Secretaria Estadual de Cultura (Secult). Fonte: Governo do Estado da Bahia.

quinta-feira, 29 de julho de 2010

Canal Brasil exibe documentário sobre o fotógrafo Luiz Garrido

© Foto de Luiz Garrido. O músico Tom Jobim.

Hoje, quinta-feira, dia 29 de julho de 2010, às 20h15, o programa Foto em Cena, do Canal Brasil (66 Globosat), exibe um documentário com a fotógrafo Luiz Garrido A direção do programa é de Débora 70. Em 1968, o carioca Luiz Garrido foi para Paris onde iniciou sua carreira como repórter fotográfico na sucursal da revista Manchete. Lá estudou fotografia na Faculdade de Vincennes e na École Nationale de Photographie Française. Foi ainda durante o período parisiense que o fotógrafo começou a se interessar por retratos, tendo clicado várias personalidades internacionais como: Alfred Hitchcock, Gina Lollobrigida, Alain Delon, entre outros. De volta ao Rio, em 1971, dedicou-se a fotografia de moda e publicidade tendo sido colaborador assíduo de revistas como: Vogue (Brasil e França), Interview, Cláudia Moda, Moda Brasil, Elle (Brasil, França e Itália), Playboy, Big (EUA) e G.Q. (Inglaterra). Em 1982, fundou a Agência e Estúdio Casa da Foto e passou a desenvolver projetos pessoais. Há vários anos, Garrido vem fotografando personalidades brasileiras das mais diversas áreas da sociedade. Serviço: Foto em Cena entrevista Luiz Garrido.Estréia Quinta - 29 de Julho 20h15. Reprises: Sexta - 30 de Julho 06h30. Sábado - 31 de Julho 09h10. Segunda - 02 de Agosto 10h40. Terça - 03 de Agosto 23h40. Quarta - 04 de Agosto 14h05.

A exuberante Lisa Fonssagrives

© Foto de Horst P. Horst. O fotógrafo Irving Penn e a sua mulher Lisa Fonssagrives, 1951.

A modelo sueca Lisa Fonssagrives apareceu em centenas de capas de revistas dos anos 1930 aos anos 1950. Ela trabalhou com importantes fotógrafos de moda, entre eles George Hoyningen-Huene, Man Ray, Horst, Erwin Blumenfeld, George Platt Lynes, Richard Avedon e Edgar de Evia. Em 1935, casou-se com o fotógrafo parisiense Fernand Fonssagrives. Após divorciar-se, casou-se em 1950 com outro fotógrafo, Irving Penn. Lisa Fonssagrives morreu em 1992, aos 80 anos de idade.

quarta-feira, 28 de julho de 2010

O fabuloso Roy DeCarava

© Foto de Roy DeCarava. Dancers, 1956.

Com as sua máquina fotográfica analógica, o fotógrafo norte-americano Roy DeCarava (1919-2009), registrou a violência e a pobreza do Harlem, bairro onde nasceu. Roy registrou as grandes mudanças políticas e sociais de Nova York. Quando começou a fotografar no fim da década de 40, os EUA haviam saído da Depressão, mas continuava a haver racismo e desigualdade social. Roy DeCarava, documentou o movimento crescente pela igualdade dos direitos civis. A sua primeira exposição, em 1950, realizou-se na Mark Pepper's Forty Fourth Street Gallery. Em 1952, recebeu apoio financeiro da Fundação Guggenheim para produzir o retrato a preto e branco dos afro-americanos no século XX, trabalho que viria a ser publicado em 1955 no notável livro "The Sweet Flypaper of Life", êxito de vendas, em colaboração com o poeta Langston Hughes. Um dos seus trabalhos mais conhecidos é uma série de retratos de importantes músicos de jazz. As fotografias deste premiado fotógrafo entraram no circuito dos maiores museus e galerias do mundo. Em 2006, foi distinguido pelo Governo norte-americano com a Medalha Nacional das Artes. DeCarava morreu em outubro de 2009, aos 89 anos. Veja mais fotos de Roy DeCarava Aqui

Exposição de Luiz Braga abre as inscrições do Prêmio Porto Seguro Fotografia 2010

© Foto de Luiz Braga. Cestos, 2010.

Será aberta ao público, no próximo sábado, dia 31 de julho de 2010, no Espaço Cultural Porto Seguro, em São Paulo, a exposição do fotógrafo paraense Luiz Braga. O evento abre as inscrições para o Prêmio Porto Seguro Fotografia 2010, que começam dia 30 de julho de 2010 e vão até 12 de setembro de 2010. Com 40 fotos que formam considerável painel da carreira de Luiz Braga, a exposição intitulada "Ensaio – Estrada nova s/n – Luiz Braga", procura valorizar um artista brasileiro que ressalta valores regionais, sem caricatura. Em todas as edições o Prêmio Porto Seguro de Fotografia é aberto com uma exposição de um fotógrafo convidado, esta fica em cartaz até dar espaço às fotos vencedoras que vão ocupar o espaço da antiga exposição, formando a mostra dos ganhadores. Segundo os organizadores do Prêmio Porto Seguro Fotografia, o número recorde de inscrições registrado em 2009 – foram 1575 inscritos e 8904 trabalhos – deve ser superado na atual edição. Alem de continuar a aceitar fotos feitas com celular, a ausência de tema reforça essa expectativa. “Cremos que a Arte, que tem a fotografia como suporte, poderá ser exercida de forma ainda mais criativa e inventiva”, diz Cildo Oliveira, curador do prêmio. Tanto a exposição quanto o período de inscrições terminam dia 12 de setembro. Exposição “Ensaio – Estrada nova s/n – Luiz Braga”. Abertura para convidados: 29 de julho de 2010. Visitação: 30 de julho a 12 de setembro de 2010. Terça a Domingo, das 10 às 17h. Local: Espaço Cultural Porto Seguro. Av. Rio Branco 1489 – Campos Elíseos – São Paulo, SP. Fonte: Heloisa Cintra - Textos & Idéias

terça-feira, 27 de julho de 2010

Negativos descobertos em venda de garagem são de Ansel Adams

Rick Norsigian exibe um dos negativos em placa de vidro supostamente feito por Ansel Adams encontrado numa venda de garagem nos EUA.

Uma equipe de peritos confirmou esta semana que os negativos, comprados em 2000 por um professor de Fresno, na Califórnia, numa venda de garagem, eram da autoria do fotógrafo norte-americano Ansel Adams e que valiam 200 milhões de dólares (150 milhões de euros), bem mais do que os 45 dólares que Rick Norsigian pagou na altura. Para Patrick Alt, um dos peritos da equipe, não há dúvidas acerca da autenticidade dos 65 negativos em placa de vidro encontrados: “Em quase todas as fotografias, as composições não apresentam nenhuma falha, sendo evidente que foram feitas por um fotógrafo com uma visão e um talento singulares”, disse, citado no site PRWeb. Também um especialista em caligrafia confirmou que as palavras nos envelopes dos negativos tinham sido escritas por Ansel Adams. Estas fotografias terão sido captadas entre 1919 e o início dos anos 1930, escreve o site da CNN, antes de Adams se ter tornado num fotógrafo conhecido nos Estados Unidos. Nos anos 1940, Adams viria a ser considerado o pai da fotografia norte-americana e, para alguns, o melhor fotógrafo do século XX. Fica por desvendar como é estes negativos, agora autenticados, de paisagens do Parque de Yosemite, na Califórnia, e de alguns locais de São Francisco, saíram da coleção de Adams e foram parar a uma venda de garagem há dez anos. Fonte Público

Félix Nadar, um dos maiores nomes da história da fotografia

O fotógrafo francês Felix Nadar criou um balão enorme que media 45 metros de circunferência , com capacidade para transportar mais de doze pessoas. Concluído em 1863, “o gigante”, como era chamado, tornou-se famoso e lendário em toda a Europa.

Félix Nadar (1820-1910), um dos maiores nomes da história da fotografia, além de exímio retratista, é conhecido por sua paixão pela aventura e novas descobertas tecnológicas. Durante oito anos de sua vida (1857 – 1865) dedicou-se ao balonismo e à fotografia aérea. Levava seu equipamento e suas placas de colódio úmido para o ar. Em suas primeiras ascensões, preparava o negativo de vidro, mas rapidamente a chapa ficava preta, sem nada registrar, até que um dia descobriu o motivo, o hidrogênio sulfurado que enchia o balão, escapava do orifício inferior da base, reagia com placa de iodo e impedia o registro da imagem. Foi então no outono de 1858, que Nadar fechou essa saída e conseguiu registrar sua tão sonhada imagem, considerada a primeira fotografia aérea da cidade de Paris. Assim ele descreve a imagem em seu livro autobiográfico: “bem apagada, pálida, mas nítida e certeira...as três únicas casas que compõem o vilarejo: uma fazenda, um albergue e um quartel...podemos distinguir perfeitamente as formas dos telhados – e sobre a estrada uma tapeçaria na qual o carroceiro parou rapidamente diante do balão”. Depois dessa experiência Nadar decide criar um balão enorme que media 45 metros de circunferência , com capacidade para transportar mais de doze pessoas.Concluído em 1863, “o gigante”, como era chamado, tornou-se famoso e lendário em toda a Europa. No dia 19 de outubro de 1863, no segundo vôo do “Gigante”, depois de dezessete horas no ar, o balão perdeu o rumo e caiu nas proximidades de Hanovre, causando a fratura das duas pernas de Nadar e o afundamento do tórax da sua esposa Ernestine.
Por Teresa Bastos Especial para o Images&Visions

segunda-feira, 26 de julho de 2010

Mostra “Fotografia Modernista Brasileira na Coleção Itaú” chega a Porto Alegre

© Foto de Geraldo de Barros. Auto-retrato, 1949.

O Museu de Arte do Rio Grande do Sul-MARGS, inaugura amanhã, terça feira, dia 27 de julho de 2010, às 19h, a exposição “Moderna Para Sempre – Fotografia Modernista Brasileira na Coleção Itaú”. Um total de 86 imagens assinadas por pioneiros na produção da fotografia moderna no Brasil, como José Oiticica Filho, Marcel Giro, German Lorca, Thomaz Farkas, José Yalenti e Geraldo de Barros chegam a Porto Alegre; trata-se de uma mostra que apresenta recorte da Coleção Fotografia Modernista Brasileira Itaú que, com cerca de 100 obras , tem como fonte principal a Escola Paulista do Foto Cine Clube Bandeirante. A iniciativa é resultado da parceria do Governo do Estado do Rio Grande do Sul, por meio da Secretaria de Estado da Cultura, em parceria com o Itaú Cultural. Com curadoria do fotógrafo Iatã Cannabrava, a exposição remonta aos anos 40 a 70 do século passado, quando na esteira do modernismo europeu e americano da década de 20, os artistas brasileiros entraram na discussão sobre os limites da arte fotográfica. Em um total de 86 imagens, de 26 artistas, este recorte da coleção de fotografias do Itaú mergulha, sobretudo, no movimento fotoclubista brasileiro. Segundo Cannabrava, o fotoclubista brasileiro começou em São Paulo no Foto Cine Clube Bandeirante, fundado em 1939, e se alargou para os outros fotoclubes. Em geral era composto de amadores da fotografia que, livres das obrigações de um trabalho comercial, puderam experimentar e ousar quebrando regras e padrões. Serviço; Moderna Para Sempre – Fotografia Modernista Brasileira na Coleção Itaú Museu de Arte do Rio Grande do Sul - Praça da Alfândega, s/nº - Tel: (51) 3227 2311. Abertura para convidados: 27 de julho,19h. De 28 de julho a 10 de outubro. De terça-feira a domingo, das 10h às 19h. Entrada franca.

O olhar imaginário de German Lorca desembarca no Rio de Janeiro

© Foto de German Lorca. Obra intitulada "São Paulo Crescendo", 1965.

A exposição Olhar Imaginário, com 60 fotos clicadas por German Lorca entre 1949 e 2009, acaba de desembarcar na Caixa Cultural do Rio de Janeiro. O curador Eder Chiodetto optou por trabalhos marcados pelo experimentalismo radical que rompem brutalmente com o realismo. Considerado um dos maiores nomes brasileiros da fotografia, o paulistano German Lorca, de 88 anos, transita com naturalidade entre arte, publicidade, reportagem, retrato e ensaio. Ele, que bebeu das fontes do surrealismo e do concretismo, foi um dos responsáveis pela implementação da estética modernista por meio de sua atuação no Foto Cine Clube Bandeirante, fundado em 1940 na capital paulistana. Serviço: Exposição Olhar Imaginário. De terça a sábado, das 10h às 22h; domingo, das 10h às 21h. Até 29 de agosto de 2010. Caixa Cultural – av. Almirante Barroso, 25, Centro. Rio de Janeiro (RJ). Grátis. Informações: (21) 2544-7666 ou http://www.caixacultural.com.br/

FotoBaixada promove projeção da fotojornalista Marizilda Cruppe

© Foto de Marizilda Cruppe. Apresentação evangélica em um presídio do Rio de Janeiro.

O FotoBaixada (fotoclube da Baixada Fluminense), promove em Nova Iguaçu, na próxima quinta-feira, dia 29 de julho de 2010, às 18:30, palestra e projeção mostrando a trajetória de uma das mais renomadas fotojornalistas do país, Marizilda Cruppe, fotógrafa do jornal O Globo no Rio. Também haverá uma projeção mostrando trabalhos de vários membros do Fotoclube. Serviço: Projeção e palestra com Marizilda Cruppe, quinta-feira, dia 29, às 18:30, no Espaço Cultural Sylvio Monteiro, em Nova Iguaçu. Rua Getúlio Vargas, 51, Centro, Nova Iguaçu (em frente à Estação de trem). Entrada franca. Mais informações Aqui

sábado, 24 de julho de 2010

A precursora da Leica causou uma revolução na fotografia mundial

© Foto de Werner Schnell. A maquina modelo Ur-Leica, de pequeno formato 35 mm, foi a precursora da legendária marca.

Em 1913, o engenheiro alemão Oskar Barnack teve uma idéia de gênio ao projetar uma maquina de pequeno formato 35 mm, causando uma revolução na fotografia, pavimentando o caminho para o nascimento da legendária Leica. Oskar Barnack queria afastar-se das tradicionais câmeras de chapas grossas, utilizado pela maioria dos fotógrafos, e procurar uma forma completamente nova de tecnologia fotográfica. Já em 1905, ele teve a idéia de reduzir o formato do negativo. Ele conseguiu transformar essa idéia em realidade oito anos mais tarde. Na fábrica óptica Ernst Leitz Wetzlar, que havia obtido grande êxito no desenvolvimento de microscópios desde 1849, Oskar Barnack desenvolveu a Ur-Leica, sem dúvida, o primeiro grande sucesso para uma câmera de pequeno formato no mundo. Embora fosse criação pessoal de Barnack, o modelo atraiu a atenção de Ernst Leitz Jr, que em 12 de junho de 1914, patenteou a invenção. Depois da 1 ª Guerra Mundial, a primeira Leica nasceu de uma parceria com a Leitz Camera, que foi apresentada ao público em 1925. Essa nova idéia causou um verdadeiro alvoroço. A câmera em pequeno formato ofereceu uma inimaginável liberdade para a reportagem fotográfica e para a fotografia artística. Em 1932, cerca de 90 mil câmeras já estavam em uso. Em 1961, o número tinha aumentado para um milhão de unidades.

A musa dos surrealistas

Lee Miller fotografada por Man Ray em 1930.

Lee Miller foi manequim, fotógrafa e musa dos surrealistas, sendo considerada uma das mais belas mulheres de sua época. Iniciou sua carreira em Nova York trabalhando como modelo para a revista Vogue, tornando-se rapidamente a musa de muitos fotógrafos, entre eles Steichen, Man Ray, Horst P. Horst e Hoyningen-Huene. Em 1929, Lee Miller mudou-se para Paris e tornou-se assistente e companheira de Man Ray. Seu sucesso encorajou-a se tornar-se fotógrafa. Em 1932, Lee Miller voltou à Nova York onde abriu seu próprio estúdio. Ela conheceu o sucesso graças aos seus retratos refinados de moda e publicidade. Lee Miller casou com um rico empresário egípcio, mudou-se para o Cairo e fotografou o deserto, as aldeias abandonadas e as ruínas do Egito. Em 1937, ela conheceu o pintor Inglês Roland Penrose, que se tornou seu segundo marido. Lee Miller mudou-se para Londres junto com Roland Penrose. Ela colaborou para a revista Vogue e depois se tornou correspondente credenciada pelo Exército norte-americano. Foi a única mulher chamada pelo exército para cobrir a guerra na Europa. Suas fotografias sobre a libertação dos campos de concentração de Buchenwald e Dachau foram publicadas na edição da Vogue americana em junho de 1945. Veja mais fotos de Lee Miller Aqui

sexta-feira, 23 de julho de 2010

A fotografia humanista de W. Eugene Smith

© Foto de W. Eugene Smith. The Walk to Paradise Garden, 1947.

O fotógrafo norte-americano W. Eugene Smith (1918-1978) nasceu em Wichita, Kansas, onde começou a sua carreira trabalhando para dois jornais locais. Depois foi morar na cidade de Nova York e trabalhou para a Newsweek, tornando-se conhecido por seu perfeccionismo e pela sua forte personalidade. Smith foi demitido da Newsweek por recusar o tipo de câmera que seu patrão queria lhe impor. Como correspondente da II Guerra Mundial, Smith retratou a linha de frente da ofensiva norte-americana contra o Japão, em Saipan, Guam, Iwo Jima e Okinawa. Em Maio de 1945, durante o conflito de Iwo Jima ele sofreu graves ferimentos em uma das mãos e no rosto na explosão de um míssel. Foram necessárias 33 operações para recuperar as suas capacidades: “Quando quis experimentar tirar uma fotografia, até me foi difícil pôr o filme na máquina”, contou Smith. Após dois anos de tratamento, cirurgias plásticas e muitas dúvidas sobre o futuro, Smith voltou ao trabalho ainda mais inspirado em defender seus ideais de “fotografia humanista” (“humanistic photography”). Ingressou na Agência Magnum em 1955. A foto que ele fez sobre o desastre de Minamata em 1972 é uma das imagens mais conhecidas da sua obra. Veja mais fotos de W. Eugene Smith Aqui

quinta-feira, 22 de julho de 2010

São Paulo abriga duas exposições simultâneas do fotógrafo Hans Georg

© Foto de Hans Georg. Ensaio intitulado ‘São Luís Pinhole’.

A partir do dia 26 de julho de 2010, duas exposições do fotógrafo Hans Georg vão acontecer simultaneamente em duas unidades do Café Suplicy, em São Paulo. Hans apresentará dois ensaios: sete fotos que constituem o ensaio ‘São Luís Pinhole’, que será apresentado no Café Suplicy dos Jardins, e ‘Fractais’, com três composições, apresentado no Café Suplicy do Itaim. Hans Georg nasceu em Porto Alegre, em 1964. Fotógrafo independente desde 1990, baseado em São Paulo, tem um arquivo especializado em destinos turísticos e colabora com diversos jornais e revistas nacionais, como Avant Garde, Terra, Folha de S. Paulo, Five, Viagem e Turismo, Vida Simples, Horizonte Geográfico, Diálogo Médico, Windows Vista, TAM nas Nuvens e Criativa, de Portugal, como Volta ao Mundo, Rotas e Destinos e Descobrir, Chile e México. Participou de diversas mostras, como Cultural França-Brasil, no Espaço Nossa Caixa, em São Paulo, Photo Morpho Vegetabilis (Piola - SP, Câmara Clara – RJ, Bolsa de Arte - PA, Centro Cultural UFMG – BH, Solar do Barão - CTBA), Foto Agosto, na Casa de Cultura Mário Quintana – RS, Ebenezer (o cotidiano de uma clínica de recuperação de drogados) na Galeria Imago Lucis, Porto, Portugal, Südschmier (A colônia alemã no Rio Grande do Sul), no Teatro São Pedro - RS e no MIS – SP. Serviço: Exposições ‘São Luís Pinhole’, no Suplicy Jardins. Al. Lorena 1430. Telefone: 3061.0195, e ‘Fractais’, no Suplicy Itaim. Rua Renato Paes de Barros 198. Telefone: 3079.7926. Veja mais fotos de Hans Georg Aqui

Exposição do principe fotógrafo será aberta na Galeria Zoom, em Paraty

© Foto de Dom João de Orleans e Bragança.

A Galeria Zoom abre no dia 05 de agosto de 2010, a exposição “Olhar de João”, com 30 Fotografias de Dom João de Orleans e Bragança com curadoria de Milton Guran. A exposição traz 30 fotos do livro homônimo que foi lançado no início deste ano pela editora Metalivros que mostra um resumo do percurso fotográfico do principe Dom João com fotos em PB e Cor. A exposição vai fazer parte da programação da FLIP - Festa Literària de Paraty. Dom João de Orleans e Bragança é o mais conhecido descendente da realeza brasileira, tataraneto de Dom Pedro II e bisneto da Princesa Isabel. Estreou na fotografia profissional em 1977, com a publicação de uma série de artigos na Manchete e na Revista Geográfica. Realizou a primeira exposição, Sombras e grafismos, em 1987, na Galeria Maurício Leite Barbosa, no Rio de Janeiro, e publicou o primeiro livro no ano seguinte: Rio Imperial. Desde então, desenvolveu intensa atividade expositiva e editorial quase que integralmente centrada em temas brasileiros, com exceção do ensaio dedicado ao oásis de Siwa. Mas esse também era baseado em idêntico impulso de busca das próprias origens, pois o Egito é a terra natal de sua mãe. E, ao fotografar o sítio do célebre Oráculo de Amon (consultado por Alexandre Grande em 331 antes da Era Moderna), João efetuou uma elipse no tempo que o aproximou de outro ensaio em preto e branco, dedicado à cidade fluminense de Trajano, em 1990. Serviço: De 05 de agosto a 05 de setembro 2010. Galeria Zoom de Fotografia de Paraty. Rua do Comercio, 05 - Centro Histórico. 23970-000 - Paraty - RJ. Tel: 24 9228 6268 Nxt 88*9445
galeriazoom@hotmail.com

quarta-feira, 21 de julho de 2010

Curta-metragem sobre Haruo Ohara é selecionado no Festival de Gramado

© Foto de Haruo Ohara / Acervo Instituto Moreira Salles. Criança com jaca, Chácara Arara, Londrina-PR. c. 1950

O Festival de Cinema de Gramado, considerado o maior evento cinematográfico da América Latina, anunciou os filmes e os homenageados para sua 38ª edição, que ocorre de 6 a 14 de agosto. Entre os curtas-metragens selecionados está “Haruo Ohara”, que conta com direção de arte de José de Aguiar. Quem assina a direção da produção é o cineasta Rodrigo Grota. O filme “Haruo Ohara”, uma realização da Kinoarte (Instituto de Cinema e Vídeo de Londrina), mostra a vida e a obra do imigrante, agricultor e fotógrafo japonês Haruo Ohara (1909-1999). Nascido a 5 de novembro de 1909 na província japonesa de Kochi, ilha de Shikoku, no Japão, Haruo se mudou para a região de Londrina em 1933. Entre 1934 e 1999, paralelamente à sua vida de agricultor, produziu quase 20 mil fotos da cidade, tornando-se uma referência estética e histórica para a memória visual de Londrina. Entre os principais temas de sua fotografia estão a vida no campo, o convívio com a família, a cidade de Londrina e a busca por imagens abstratas, tendência acentuada após a sua mudança para a região central de Londrina em 1951. Por não se considerar um fotógrafo “profissional”, Haruo nunca expôs e comercializou suas obras em vida. Em 1998, um pouco antes de sua morte, o Filo (Festival Internacional de Londrina) realizou uma primeira retrospectiva de sua obra. Em 2008, sua obra passou a integrar o acervo do Instituto Moreira Salles. Fonte: Cruzeiro do Sul.

Exposição da fotógrafa francesa Irina Ionesco chega a Salvador

© Foto de Irina Ionesco. Femme Volante, 1988.

Depois de ser exibida em São Paulo e Brasília, será aberta ao público na Caixa Cultural Salvador, na próxima quinta-feira, dia 22 de julho de 2010, a mostra da fotógrafa francesa Irina Ionesco, uma das grandes damas da fotografia mundial. Composta por 30 fotografias em preto e branco, a exposição promove o diálogo entre o pop e o sublime, o eterno e o moderno. A curadoria da mostra é assinada pela jornalista Betch Cleinman. Durante a exposição, será exibido o documentário “Irina Ionesco, Nocturnes Porte Dorée” de Delphine Camolli (1998-2003, 58’), que apresenta seu universo onírico a partir de depoimentos, cenas da fotógrafa em ação com a modelo Isis e algumas de suas séries como as Amantes Fúnebres e as fotos de Baby Jane. Serviço: Exposição: “Espelho de Luz e Sombra” – Irina Ionesco. Visitação: 22 de julho a 22 de agosto, de terça a domingo. Local: Caixa Cultural Salvador – Galeria Arcos. Endereço: Rua Carlos Gomes, 57, Centro Salvador/BA. Acesso: Gratuito. Classificação etária: Livre

terça-feira, 20 de julho de 2010

Festival Internacional Paraty em Foco anuncia oito novos workshops

O fotógrafo Bob Wolfenson vai ministrar o workshop "Apreensões".

Além dos quatorze workshops anunciados na semana passada, mais oito foram divulgados ontem pela organização do Paraty em Foco - Festival Internacional Fnac de Fotografia, que vai acontecer entre os dias 15 e 19 de setembro de 2010, em Paraty (RJ). Do fotojornalismo contemporâneo a Lomografia, diversas novas categorias foram incluídas. Os novos workshops serão ministrados por Anderson Schneider, Bob Wolfenson, Coletivo Garapa, Coletivo Kameraphoto, Egberto Nogueira, Luiz Claudio Marigo, Philippe Machado, Claudia Hinterseer e Kadir Van Lohuizen. Em julho tem 10% de desconto para quem fizer sua inscrição. Veja a relação completa dos novos workshops Aqui

Mão Santa premiada

© Foto de Sidnei Costa. A balconista Gisele Cristina Nunes pede socorro durante enchente em Rio Preto. 2009.

O repórter fotográfico do jornal Bom Dia de Rio Preto Sidnei Costa ganhou o Prêmio Arfoc-SP (Associação de Repórteres Fotográficos e Cinematográficos do Estado de São Paulo) com a foto intitulada “Mão Santa”. A imagem foi a mais votada entre as fotografias que compuseram a exposição Fotojornalismo 2009, em votação que envolveu os profissionais da entidade. Os associados da Arfoc votaram nas fotos no período de uma semana. Ao todo Sidnei Costa recebeu 14 dos 71 votos válidos. A foto foi tirada no dia 7 de outubro de 2009 em meio a enchente da Avenida Albeto Andaló. Foram dois segundos para captar o drama de voluntários no salvamento da balconista Gisele Cristina Nunes. “Alguém viu e gritou; foi só o tempo de virar e clicar”, afirmou Sidnei. A imagem correu o mundo por meio da internet e estampou alguns dos principais jornais do país, além de ser escolhida como a imagem da semana da “Time.com”. Fonte: Bom Dia

segunda-feira, 19 de julho de 2010

O fotógrafo Kim Badawi participa de projeção no Ateliê da Imagem, no Rio

© Foto de Kim Badawi. Ensaio “Taqwacore”. Chicago, 2007.

O Ateliê da Imagem Espaço Cultural convidou o jovem fotógrafo franco-egípcio Kim Badawi para participar do próximo Projeto Sexta-Livre, dia 23 de julho, às 19h, no Rio. Haverá exibição de fotos e bate papo com tradução para o português. Kim Badawi (1980), reside atualmente em Nova Iorque e apresentará uma projeção com uma intrigante seleção de trabalhos pessoais de documentação. Kim faz parte de uma nova geração internacional de documentaristas que, formados dentro da estética clássica do fotojornalismo, pesquisou novos caminhos e linguagens para abordar temáticas contemporâneas. Em muitos casos, os personagens retratados em seu trabalho pertencem à cena underground de várias culturas e países, oferecendo um olhar fresco e sem julgamento sobre situações incomuns.Nascido em Paris em 1980, Kim Badawi é um fotógrafo francês-egípcio-sloveno que mora em Nova Iorque. Começou a própria carreira como fotógrafo retratando a situação das famílias de refugiados do Mississipi para o Texas, no rescaldo do furacão Katrina, em quanto ainda era estagiário na Contact Press Images e na Magnum Photos em Nova Iorque. Selecionado para a publicação do Centro para Estudos de Documentação da Duke University, o trabalho de Badawi também aparece em 25 Under 25: Up-and-Coming American Photographers (powerHouse Books, 2008) e na monografia The Taqwacores- Muslim Punk in the USA (powerHouse Books, 2009 ). Serviço: Projeto Sexta-Livre, dia 23 de julho, às 19h, no Ateliê da Imagem. Av. Pasteur 453, Urca. Rio de Janeiro. Tel; 2541-3314.Veja mais fotos de Kim Badawi Aqui

Festival “A Gosto da Fotografia” destaca a obra de Thomaz Farkas e Boris Kossoy

© Foto de Boris kossoy. Viaduto em São Paulo, 1971.

Um dos mais representativos festivais de fotografia no Brasil, o "A Gosto da Fotografia" chega ao sexto ano com uma programação de exposições, palestras, filmes e oficinas nos principais museus e espaços culturais da capital baiana, com curadoria de Diógenes Moura. O projeto realizado pelo Instituto Casa da Photographia, de Salvador, em parceria com a Pinacoteca do Estado de São Paulo e patrocinado pela Oi e Fazcultura, programa desenvolvido pela Secretaria de Cultura do Estado da Bahia, e com apoio da Oi Futuro, tem como destaque uma grande leitura nas obras dos fotógrafos Thomaz Farkas e Boris Kossoy. A programação inicia no dia 29 de julho, às 19h, na sede da Oi Kabum em Salvador. No Museu de Arte Moderna da Bahia a mostra Thomaz Farkas – O Tempo Dissolvido apresenta uma leitura na obra de Farkas (Hungria,1924), um dos pioneiros da fotografia moderna no Brasil, com registros das últimas seis décadas. Outro destaque do Festival A Gosto em 2010 é a mostra O Caleidoscópio e a Câmara, de Boris Kossoy (São Paulo, 1941), um dos maiores pesquisadores sobre fotografia no Brasil e precursor do realismo fantástico no país (abertura no dia 30 de julho, sexta-feira, às 19 horas, em cartaz até 05/09), no Museu de Arte da Bahia (MAB). Veja a programação completa Aqui

sábado, 17 de julho de 2010

MAM-SP comemora os dez anos do Clube de Colecionadores de Fotografia

© Foto de Luiz Braga. Balão em Belo Horizonte, 2007.

A exposição Dez anos do Clube de Colecionadores de Fotografia está em cartaz até o dia 29 de agosto de 2010, no Museu de Arte Moderna de São Paulo (MAM). A mostra traz 55 obras que fazem parte do Clube, desde sua formação, há dez anos, selecionadas pelo curador Eder Chiodetto. O Clube foi criado em 2000 por Tadeu Chiarelli nos mesmos moldes do Clube de Colecionadores de Gravura, o Clube de Colecionadores de Fotografia tem por objetivo incentivar o colecionismo de foto e incrementar o acervo do MAM. A mostra se divide de acordo com os temas "Nacional, Documental Imaginário, Limites/Metalinguagem, Retrato/ Autorretrato e Vanguardas Históricas. Entre os exemplos de cada um desses segmentos, há artistas de períodos variados. A exposição traz os renomados nomes de Maureen Bisilliat, André Cypriano e Bárbara Wagner, entre outros. E aborda problemas sociais e questões culturais do país e o questionamento da própria linguagem fotográfica e de suas particularidades. Serviço: Dez Anos do Clube de Colecionadores de Fotografia. Até 29 de agosto de 2010. Parque do Ibirapuera (av. Pedro Álvares Cabral, s/nº - Portão 3). Tel: (11) 5085-1300. Horários: Terça a domingo, das 10h às 17h30 (com permanência até as 18h). Ingresso: R$ 5,50. Sócios do MAM, crianças até 10 anos e adultos com mais de 65 anos não pagam entrada. Aos domingos, a entrada é franca para todo o público, durante todo o dia.

Espetáculo de dança é inspirado nas fotos da norte-americana Francesca Woodman

© Foto de Francesca Woodman. Eel Series, Roma, 1977.

O Sesc Santo André (Rua Tamarutaca, 302. Tel.: 4469-1200) apresenta hoje, sábado, dia 17 de julho de 2010, às 20h, o espetáculo de dança (Depois De) Antes da Queda, com a Companhia Perdida. O espetáculo é inspirado nas fotografias da norte-americana Francesca Woodman (1958-1981). Influências do Surrealismo e do Renascimento se fazem presentes, pois buscaram as referências da própria artista, abordando um questionamento sobre o que constitui o universo feminino. Criado e dirigido pela coreógrafa Juliana Moraes, as bailarinas intérpretes são Maristela Estrela, Carolina Callegaro, Isabel Monteiro, Erica Tessarolo e Beatriz Sano. Também hoje, das 10h às 12h, a Companhia desenvolverá um workshop gratuito destinado a estudantes, profissionais e interessados em dança contemporânea, teatro e performance. Com 20 vagas, o laboratório prático partirá do processo de apropriação coreográfica das fotografias da artista norte-americana, envolvendo análise das imagens, improvisação e exercícios de composição coreográfica. Fonte: Diário do Grande ABC
Veja mais fotos de Francesca Woodman Aqui

sexta-feira, 16 de julho de 2010

Steve McCurry dispara o último rolo Kodachrome

O fotógrafo e jornalista Steve McCurry utilizou o último rolo de 36 fotografias da Kodakchrome.

O fotógrafo Steve McCurry utilizou o último rolo de 36 fotografias da Kodakchrome, noticiou hoje o jornal espanhol El País. McCurry planejava fotografar apenas Nova York, mas aproveitou para fazer uma reportagem sobre uma comunidade na Índia em perigo de extinção, tal como a própria Kodachrome. A Kodak anunciou no ano passado que ia retirar do mercado a Kodachrome, a mítica película que produzia desde 1935. Foi o próprio fotógrafo, segundo o diário espanhol, que fez o pedido à Kodak para disparar o último rolo de 36 fotogramas Kodachrome, o que a empresa aceitou. McCurry fotografou o ator Robert de Niro na ponte de Brooklyn, a Estação Central de Nova York, a comunidade indiana e ainda atores, atrizes e modelos da Índia e fez um auto-retrato em Nova York. Fonte: Público

A imagem do atentado que matou o presidente do Egito Anwar Sadat

© Foto de Nakram Al-Akhbar. Presidente do Egito Anwar Sadat é assassinado no palanque oficial durante uma parada militar no Cairo, em 1981.

Em 06 de Outubro de 1981, o presidente do Egito Anwar Sadat é assassinado no palanque de uma parada militar no Cairo por membros disfarçados do exército que eram parte da organização egípcia Jihad Islâmica. A foto de Nakram Al-Akhbar registrou o momento em que um homem dispara contra as autoridades egípcias. Veja um vídeo com imagens do atentado Aqui

quinta-feira, 15 de julho de 2010

Walter Firmo lança quatorze novos fotógrafos

© Foto de Alexandre Plastino.

Walter Firmo – um dos grandes nomes da fotografia nacional – participa do próximo Projeto Sexta-Livre do Ateliê da Imagem Espaço Cultural, Rio de Janeiro, dia 16 de julho, 19h, lançando quatorze novos fotógrafos. O mestre vai projetar os melhores fotos de: Alexandre Plastino, Ana Paula Linhares, Ana Porto Alegre, Cida Alves, Fernanda Maia, Ingrid Montenegro, João Vicente Lopes, Luiza Filizola, Márcia Oliveira, Marcos Lana, Rina Soares, Rodrigo Carelli, Simone Soares, Stela Martins que foram seus alunos no curso de Criatividade em Cor. Serviço: Projeto Sexta-Livre do Ateliê da Imagem. Dia 16 de julho, 19h. Espaço Cultural. Avenida Pasteur, 453, Urca. Rio de Janeiro. www.ateliedaimagem.com.br

O passado e futuro do fotojornalismo em exibição em Berlim

© Foto de Burt Glinn/Magnum. Members of the Seattle Tubing Society in full float, 1953.

O espaço de fotografia C/O Berlin está comemorando dez anos de existência como começou, com uma ambiciosa exposição da Agência Magnum, com base em imagens de fotojornalismo da agência. A mostra intitulada Magnum-Retrospective apresenta 200 instantâneos pertencentes à agência fotográfica Magnum, fundada em 1947, por um grupo de fotógrafos, entre eles Robert Capa, David Seymour "Chim" e Henri Cartier-Bresson. A exposição também apresenta trabalhos de jovens fotógrafos da Magnum, que ao longo do tempo têm introduzido novas formas de compreender a fotografia, muitas vezes ligada com a arte. Em 2000, o espaço C/O Berlin foi criado para fornecer um local expositivo dedicado somente à arte da fotografia. Até 12 de setembro de 2010.

Estudiosa afirma que Hugo Brehme foi o que melhor retratou a Revolução Mexicana

© Foto de Hugo Brehme. Entrada de Carranza na cidade do México, 1914.

O fotógrafo alemão Hugo Brehme (1882-1954), naturalizado mexicano, é para uma estudiosa da fotografia, o fotógrafo que melhor retratou o período histórico da Revolução Mexicana. Essa afirmação foi feita por Mayra Mendoza Aviles, subdiretora da Fototeca Nacional, do Instituto Nacional de Antropologia e Historia do México, após uma revisão do trabalho de Brehme sobre os acontecimentos revolucionários. A pesquisadora, que desde 2003 tem se dedicado a analisar a fotografia de Brehme, especialmente na fase pós-revolucionária, disse que as imagens capturadas por Hugo Brehme registraram com exatidão esse período revolucionário. Hugo Brehme é considerado um dos fotógrafos importantes do México. Ele nasceu na Alemanha em 1882 e morreu no México em 1954. Por mais de 40 anos, Brehme celebrou a beleza natural do México, em suas paisagens cênicas. Ele retratou com sensibilidade a mistura étnica do povo mexicano e seu ambiente. Leia mais Aqui

quarta-feira, 14 de julho de 2010

1º Semana f/508 de Fotografia homenageia o tcheco Miroslav Tichý, em Brasília

© Foto de Miroslav Tichy. Veja mais fotos de Miroslav Tichý Aqui

No intuito de promover o intercâmbio entre fotógrafos profissionais, amadores e demais interessados em fotografia, o Espaço f/508 realiza a "1º Semana f/508 de Fotografia – I Love Film". De 19 de agosto, quando é celebrado o Dia Mundial da Fotografia, ao dia 29 do mesmo mês, a sede do f/508, em Brasília (DF), se transforma em um grande espaço de convivência e aprendizado, onde serão realizadas oficinas, palestras, exposições, projeções, entre outras atividades. A primeira edição do evento homenageia o fotógrafo tcheco Miroslav Tichý, que capta imagens de forma instintiva, com lentes de aproximação e dispositivos feitos de sucata. Três exposições abrem a 1º Semana f/508 de Fotografia: “Fotografia Pinhole”, “Processos Fotográficos Históricos” e “Estética do Acaso”. Toda a programação da Semana será voltada à fotografia analógica, promovendo, por meio das atividades planejadas, uma reflexão acerca do lugar que a este suporte passou a ocupar após o surgimento e rápido crescimento da fotografia digital. Serviço: Semana f/508 de Fotografia – I Love Film. De 19 a 29 de agosto. Local: Espaço f/508 de Fotografia (SCLN 413 Bloco D sala 113 – Asa Norte – Brasília/DF). Horários das atividades: Palestras – De 24 a 27, a partir das 19h30. Oficinas (participação mediante inscrição prévia) – Sábados e domingos, a partir das 9h30. Projeto Lambe-lambe – Dia 27, a partir das 21h. Horário de visitação das exposições: De segunda a sexta, a partir das 14h; sábados e domingos, a partir das 9h30. Informações: Telefones: (61) 3347 3985/ 8414 8926. E-mail: fotoclubef508@gmail.com. Site: http://www.fotoclubef508.com/.

Site elabora lista de cinquenta filmes relacionados com a fotografia

Cartaz do filme Blow up, de Michelangelo Antonioni, 1966.

A fotografia tem se relacionado com o cinema de maneira contundente, das mais variadas formas nas últimas décadas. Na história do cinema, vários filmes provenientes de várias partes do mundo homenagearam a fotografia. O site Photojojo selecionou 50 filmes que tem relação direta com a arte fotográfica. Veja a lista completa Aqui
Fonte: AF de AutoFoco

terça-feira, 13 de julho de 2010

Marcio RM exibe em Teresópolis fotografias inéditas de Buenos Aires

© Foto de Marcio RM. Imagem de Buenos Aires que compõe a mostra “Esperando Outono”.

O fotógrafo Marcio RM realiza até o dia 31 de julho de 2010, sua quadragésima exposição individual intitulada “Esperando Outono”, no Centro Cultural FESO Pro Arte, em Teresópolis (RJ). Esperando Outono é um ensaio fotográfico inédito de Marcio realizado em Buenos Aires e cidades próximas como Tigre e San Isidro.Esta é a primeira individual de Marcio na qual o ser humano não é o assunto principal nas suas fotos. As imagens foram feitas no final de fevereiro e início de março deste ano em dias de céu aberto, quase tão bonito quanto o de outono com suas cores saturadas e a sua poética luz. Marcio é fotógrafo profissional desde 1982 e tem fotos veiculadas nas principais publicações brasileiras, tendo trabalhado para as revistas IstoÉ e Veja e os para os jornais O Estado de São Paulo e Folha de São Paulo, além de empresas como a Petrobras. Há vários anos vem se dedicando a elaboração e execução de projetos documentais. Serviço: Centro Cultural FESO Pro Arte. Rua Gonçalo de Castro, 85. Alto Teresópolis (RJ). Fone (21) 26445750. Horário de funcionamento: segunda-feira a sexta-feira, das 10 às 12 h e das 14 às 18 h. Até dia 31 de julho de 2010. Visitação gratuita. Mais informação: Marcio RM, tels: (21) 2224.6585 e 9291.7616. E-mail: mrmbr@yahoo.com

Valéria Simões é a entrevistada do programa Foto em Cena, no Canal Brasil

© Foto de Valéria Simões. Mr Abrakadabra. Bahia, 1995.

Na próxima quinta-feira, dia 15 de julho, às 20h15, o programa Foto em Cena, do Canal Brasil (66 Globosat), exibe um documentário com a fotógrafa baiana Valéria Simões, que fala de sua difícil transição das artes plásticas para a fotografia, vista, até então, como uma arte menor. A fotógrafa discorre também sobre seus trabalhos - no cinema, inclusive - e suas influências, como a pintora mexicana Frida Kahlo e o cineasta espanhol Pedro Almodóvar. A direção do programa é de Débora 70. Valéria Simões é fotógrafa desde os anos 90. Formada em Artes Plásticas pela Escola de Belas Artes da UFBA, tem expressiva participação no circuito de exposições, tanto da Bahia como de boa parte do país. Destacam-se suas duas últimas exposições individuais, “Varre Estrada”, vencedora do Edital Caixa Cultural 2007, e “Lugar de Ausência”, patrocinada pelo Fundo de Cultura e exibida no Museu de Arte Moderna da Bahia em 2009. Na sua trajetória, recebeu alguns prêmios, como o da II Convocatória Ibero-americana de Fotografia de Arte em Blanco & Negro – Save the Children – Lima/Peru, 2005 e mais recentemente o Prêmio Aquisição da IX Bienal do Recôncavo, Centro Cultural Dannemann, São Felix/BA, 2008. Fotógrafa de cena de seis filmes, dentre eles os longas “Memórias Póstumas de Braz Cubas” e “Trampolim do Forte”, ministrou cursos e palestras particulares e realizou diversas curadorias, dentre elas a da XV Bienal de Arte Fotográfica Brasileira em Cores, 2007, e das exposições “Vendo a Venda” e “E é mãe já”. Serviço: entrevista com Valéria Simões, no programa Foto em Cena, do Canal Brasil. Quinta-feira, dia 15 de julho, às 20h15. Reprises: Sexta feira, dia 09 de Julho, às 6h30. Segunda-feira, 19 de Julho, às 23h40. Quarta-feira, dia 21 de Julho, às 4h da manha e 12h10.
Leia mais Aqui

Exposição na França explora as mudanças na fotografia contemporânea russa

© Foto de Vlad Loktev. Imagem que compõe a mostra “Photographie de la nouvelle Russie. 1991 – 2010”.

A Maison Européenne de la Photographie em Paris está exibindo até o dia 29 de agosto de 2010, a exposição “Photographie de la nouvelle Russie. 1991 – 2010”, que visa em primeiro lugar, apresentar uma nova imagem da Rússia e, por outro, explorar as mudanças e tendências na fotografia contemporânea russa. O fim da censura no primeiro semestre de 1990, eliminou a classificação "Arte Oficial / Não oficial”. Os russos puderam falar sobre assuntos muito proibidos, como questões sociais (pobreza, guerra, terrorismo), os artistas encontraram outros meios de expressão, outras linguagens. Artistas se tornaram mais abertos às questões da vida universal e, finalmente, a Rússia partilha tudo isso com o resto do mundo. A fotografia torna-se um meio importante no renascimento da arte russa. A exposição não pretende fornecer uma visão abrangente da nova fotografia da Rússia, a proposta é explorar as mudanças e tendências na fotografia contemporânea. Serviço: Exposição Photographie de la nouvelle Russie 1990-2010. Até 29de agosto 2010. Maison Européenne de la Photographie, MEP, 5/7 rue de Fourcy-75004 Paris. Leia mais Aqui

segunda-feira, 12 de julho de 2010

Espaço virtual do 2º Fórum Latino-Americano de Fotografia está no ar

O Fórum Virtual traz uma excelente entrevista com Mauricio Lissovsky, historiador, roteirista, professor da ECO-UFRJ, e um dos mais criativos pensadores da fotografia no Brasil.

O segundo Fórum Latino Americano de Fotografia de São Paulo acontece entre os dias 20 a 24 de outubro de 2010, no Itaú Cultural, com o tema “Exílios e migrações na fotografia”, onde serão realizados seminários, exposições, workshops e leituras de portfólios. Para antecipar o debate e centralizar as discussões que serão debatidas durante o evento, está no ar o Fórum Virtual, espaço na web editado por Alexandre Belém, Georgia Quintas, Manu Melo Franco e Ronaldo Entler. A primeira edição traz uma excelente entrevista com Mauricio Lissovsky, historiador, roteirista, professor da Escola de Comunicação da Universidade Federal do Rio de Janeiro, e um dos mais criativos pensadores da fotografia no Brasil. O Fórum Virtual surge como pesquisa de conteúdo sobre a fotografia e seus vários sentidos na estratégia territorial de encontros e passagens. “O que pretendemos aqui é um exercício de aproximação com a produção autoral e reflexiva do campo fotográfico na América Latina”, afirma Alexandre Belém. Vários blogs de fotografia latino-americanos foram convidados para participar da "Web Latina", entre eles o brasileiro Images&Visions. Acesse o Fórum Virtual Aqui

Organização do Paraty em Foco divulga os workshops que serão ministrados em 2010

© Foto de Alejandro Chaskielberg. O fotógrafo argentino vai ministrar o workshop “Documental mágico – Novos olhares na fotografia”.

A organização do 6º Festival Paraty em Foco divulgou em seu blog os workshops que serão ministrados na edição de 2010, que acontece entre os dias 15 e 19 de setembro de 2010, em Paraty (RJ). Os workshops são uma oportunidade única para renovar o conhecimento e discutir as novas tendências, frente a frente com grandes profissionais da fotografia mundial. Durante o evento serão ministrados os workshops dos seguintes fotógrafos: Alejandro Chaskielberg, Alfredo de Stefano, Klaus Mitteldorf, Armando Prado, Christian Gaul, Claudio Edinger, Claudio Feijó, Clicio Barroso e Alexandre Keese, Eder Chiodetto, João Castilho, Luciano Candisani, Ricardo Hantzchel, Sebastian Rojas e Klaus Mitteldorf, entre outros. Confira a lista de quem vai ministrar workshop no Festival deste ano Aqui

domingo, 11 de julho de 2010

Foto de Domingo: O. Winston Link

© Foto de O. Winston Link. Hot Shot Eastbound, at the Iaeger Drive-In. W.V, 1956.
Veja mais fotos de O. Winston Link Aqui
(clique na imagem para ampliar)

sábado, 10 de julho de 2010

Dora Maar, a musa inspiradora

© Foto de Izis Bidermanas. Dora Maar, 1940.

A fotógrafa e pintora francesa Dora Maar (1909-1997) conheceu o pintor Picasso em 1936, no café "Les Deux Magots", em Saint Germain-des-Prés. Fortemente atraído, Picasso incumbiu o famoso poeta Paul Eluard para apresentá-lo a esta “linda mulher”, ela tinha 27 anos e ele 55. E assim iniciou-se uma relação profissional e íntima. Viveram juntos durante alguns anos. Dora posou para alguns quadros entre eles o famoso Dora Maar au Chat, de 1941, que é considerada como uma das obras mais caras do mundo. Dora fotografou todo o processo de criação da obra Guernica (1937), de Picasso. Filha de pai iugoslavo e de mãe francesa da região de Touraine, ela cresceu na Argentina. Estudou pintura em Paris. Ingressou na fotografia nos meados de 1930, associando-se aos surrealistas, entre 1934 e 1937. Veja um vídeo sobre Dora Maar Aqui

Onde está essa menina?

© Foto de Guinaldo Nicolaevsky. A menina que se negou a cumprimentar o ex-presidente João Figueiredo, Belo Horizonte. 1979.

Em 2008 vários blogs brasileiros lançaram uma campanha nacional para encontrar a corajosa menina que se negou estender a mão ao ditador João Figueiredo em 1979. Hoje ela deve estar ter aproximadamente 40 anos. A foto histórica de Guinaldo Nikolaevscky marcou o início da abertura política. A célebre imagem foi feita durante solenidade no Palácio da Liberdade em Belo Horizonte. Os esforços para localizar essa menina foram em vão, até hoje não há pistas sobre o paradeiro dessa jovem.

sexta-feira, 9 de julho de 2010

A fotografia que provocou indignação nacional nos EUA

© Foto de Bill Hudson. Polícia utiliza cães contra manifestantes que protestavam contra a segregação na prisão onde estavam presos alguns organizadores de direitos civis. Alabama, EUA, 1963. (Clique na imagem para ampliar).

Bill Hudson (1932-2010) foi um fotógrafo da AP, que cobriu o movimento dos direitos civis nos EUA. Em 1963, Hudson estava em Birmingham, Alabama, quando a polícia utilizou cães contra manifestantes que protestavam contra a segregação na prisão onde estavam presos alguns organizadores do movimento dos direitos civis. A fotografia feita por Bill Hudson mostra um cão policial atacando um adolescente Afro-americano, enterrando seus dentes no estômago do rapaz. A imagem provocou indignação nacional. Nascido em Detroit, Hudson começou a trabalhar como fotógrafo para o Exército norte-americano durante a Guerra da Coréia. Ele ingressou na Associated Press, em Memphis em 1962. Ele deixou a AP em 1974 para ingressar na agência de notícias United Press International. Bill Hudson morreu no último dia 24 de junho em Jacksonville, na Flórida, aos 77 anos.

Willy Ronis, o humanista

© Foto de Willy Ronis. Rue de la Cloche, Ménilmontant, Paris, 1948.

O La Monnaie de Paris, em associação com o Museu Jeu de Paume apresentam até o dia 22 de agosto de 2010, a obra de Willy Ronis, que morreu no ano passado. O fotógrafo é um dos representantes mais ilustres do movimento humanista francês do pós-guerra, ele tinha planejado para 2010, uma grande exposição em Paris para comemorar o seu centenário. Nascido em 1910, o trabalho de Willy Ronis precisou de muito tempo para ser reconhecido, o que só aconteceu na década de 80. Filho de um fotógrafo judeu de origem russa, Willy Ronis nasceu em Paris. O seu pai lhe presenteou a primeira câmera aos 16 anos. Em pouco tempo tornou-se fotógrafo para ajudar no sustento da família. Retratou Paris em todos os seus aspectos, registrando o cotidiano das ruas no pós-guerra. Em 1946, fez parte da primeira equipe da agência Rapho. Hoje é considerado um dos mais importantes representantes da fotografia humanista.Monnaie de Paris, 11 Quai de Conti, 75006 Paris, 01-40-46-56-66. Horário: De 11h-19h, as quintas até 21h30 todos os dias, exceto segunda-feira. Preços: 7 € / 5 €. Veja mais fotos de Willy Ronis Aqui

quinta-feira, 8 de julho de 2010

Funarte anuncia os 36 contemplados com o XI Prêmio Marc Ferrez de Fotografia

© Foto de Júlio Ferrez. O fotógrafo Marc Ferrez na Suíça, 1915.

A Fundação Nacional de Artes (Funarte) divulgou nesta última quarta-feira, dia 07 de julho, os nomes dos 36 contemplados com o XI Prêmio Marc Ferrez de Fotografia. A iniciativa cria condições para que pesquisadores e artistas possam se dedicar ao desenvolvimento de trabalhos inéditos no campo da fotografia. Nesta edição do programa, as premiações estão divididas em três categorias. Duas delas, “Pesquisa, experimentação e criação em linguagem fotográfica” e “Documentação fotográfica / registro das transformações do cotidiano na sociedade”, oferecem aporte financeiro de R$ 40 mil a cada projeto selecionado. Já os contemplados na categoria “Produção de conhecimento por meio de apoio ao pensamento crítico e teórico” recebem prêmios de R$ 10 mil. O processo seletivo do XI Prêmio Marc Ferrez esteve aberto a proponentes de todo o país. A análise dos projetos inscritos coube a uma comissão composta por cinco integrantes de notório conhecimento sobre a fotografia brasileira, um de cada região. Por meio dessa iniciativa, a Funarte pretende estimular a reflexão crítica e a produção artística na área. O investimentos total é de R$ 1,08 milhão. Veja a lista dos contemplados Aqui

Roberto Otero retratou Pablo Picasso durante doze anos

© Foto de Roberto Otero. Pablo Picasso ao lado do fotógrafo Edward Steichen.

Roberto Otero foi o único fotógrafo que fez imagens contínuas na casa de Pablo Picasso, em Mougins, no sul da França, onde o artista se exilou durante a ditadura de Francisco Franco, na Espanha. Entre os anos 1960 e 1971, Roberto Otero retratou o pintor espanhol em seus momentos mais íntimos, recebendo amigos, rodeado por parentes ou em seus processos de criação. O fotógrafo argentino manteve o acervo de quatro mil fotos guardado durante décadas e depois publicou sete livros sobre o artista. Amigo íntimo de Picasso, Otero entrou no círculo de amizades do pintor malaguenho através do poeta espanhol Rafael Alberti, ambos comunistas e críticos do regime militar espanhol. Nas descrições do fotógrafo (que morreu na Espanha em 2004), Picasso aparece como um artista inquieto no momento de trabalho, mas imerso em uma atmosfera muito tranqüila em casa ao lado de sua última esposa, Jacqueline Roque. A série de Otero foi adquirida pelo Museu Picasso de Málaga em dezembro de 2006.
Fonte:BBC

quarta-feira, 7 de julho de 2010

Mauro Trindade analisa a fotografia a partir da história da arte, no Rio

© Fotos de Eadweard Muybridge. Sallie Gardner at a galop, 1878.

O jornalista e professor Mauro Trindade vai ministrar no Rio de Janeiro um curso intitulado ”Uma breve história da fotografia”, onde serão abordados vários temas sobre a arte fotográfica. O curso procura analisar a fotografia de forma não-cronológica, a partir da história da arte e sua dimensão na produção contemporânea. São quatro palestras com imagens que irão abordar questões como: idéia e imagem a partir da filosofia, os pioneiros da fotografia, as relações entre fotografia e cinema, o balão, o panorama e o impressionismo, a fotografia modernista moderna e o terceiro regime da imagem. Mauro Trindade é jornalista e professor substituto da Escola de Belas Artes da UFRJ. Já trabalhou nos jornais O Globo, Jornal do Brasil e Revista Bravo. Foi professor na Pós-Graduação em Estéticas do Movimento: Estudos em Dança, Videodança e Multimídia, da Faculdade Angel Vianna. O curso será nos dias 9, 16, 23 e 30 de julho de 2010, sempre das 19h às 21h. R$ 150. Local: Centro Cultural da Justiça Federal. Avenida Rio Branco, 241, Rio de Janeiro. Telefone: (21) 2558-9849. Mais informações: mauro_trindade@yahoo.com.br

Steve McCurry expõe em Paris

© Foto de Steve McCurry. Srinagar. Índia, 1996.

O fotógrafo norte-americano Steve McCurry está exibindo em Paris até o dia 31 de julho de 2010, a mostra intitulada “Steve McCurry: Le Regard des Autres”. Membro da Magnum desde 1986, Steve se tornou conhecido através de imagens do Afeganistão. Steve McCurry cruzou muitas áreas de conflito ao redor do mundo, em busca de rostos e paisagens para capturar os horrores da guerra: Burma, Sri Lanka, Líbano, Camboja, Filipinas, o ex-Iugoslávia, Irã, Iraque, Tibete e Afeganistão, entre outros. Seu senso de cor, luz, sensibilidade e poesia foram muito além das fronteiras do jornalismo, para se tornar uma referência na fotografia contemporânea. Serviço: Exposição “Steve McCurry: Le Regard des Autres”. Galeria Frédéric Got Fine Art, 35 rue Guénégaud 75006. Telefone: 01 43 26 52 61. De terça a domingo, das 10 às 19 horas. Até 31 de julho de 2010. Veja mais fotos que estão em exibição em Paris Aqui

terça-feira, 6 de julho de 2010

O fotógrafo e antropólogo Milton Guran participa de workshop em Curitiba

© Foto de Milton Guran. Ulysses Guimarães e Tancredo Neves. Brasília, 1980.

O fotógrafo e antropólogo Milton Guran estará participando em Curitiba, nos dias 13, 14 e 15 de julho de 2010, do workshop intitulado “Modos de ver: do olho nu ao olhar fotográfico”, no Omicron Centro de Fotografia. O curso tratará da produção de informação visual e das principais questões ligadas á imagem plástica em geral e à fotografia e dos aspectos fundamentais da construção de uma cultura do olhar, e do olhar como instrumento de construção da cultura, entre outras questões importantes sobre fotografia. Milton Guran, realizador do encontro FotoRio, é uma das figuras mais importantes e inspiradoras da fotografia brasileira. Começou a fotografar na época da ditadura, quando já era jornalista profissional, e algum tempo depois se candidatou a uma bolsa de doutorado na França para estudar povos indígenas e africanos. Achou na antropologia um modo de organizar sua percepção de mundo e pesquisou cada vez mais sobre as diferentes culturas, registrando cada uma delas com muita paixão e sensibilidade. Serviço: Curso “Modos de ver: do olho nu ao olhar fotográfico”. Data: 13, 14 e 15 de julho. Horário: 19h15 às 22h30 - com coffee break de 15 min. Local: Omicron Centro de Fotografia. Rua. Pe. Germano Mayer, 2200 - Hugo Lange – Curitiba. Telefone: 3252-1093. Mais informações Aqui

Christie's leiloará fotos de Richard Avedon durante a edição do Paris Photo 2010

© Foto de Richard Avedon. Dovima with elephants, evening dress by Dior, 1955.

A Christie's anunciou que promoverá um leilão de fotografias de Richard Avedon (1923-2004) durante a próxima edição do Paris Photo Festival em novembro. O lote contém fotografias de Pablo Picasso, Brigitte Bardot e Marilyn Monroe, entre muitos outros. Entre as fotos que estarão à venda consta a célebre imagem intitulada "Dovima with elephants, evening dress by Dior", que mostra uma modelo em um circo entre dois elefantes com um vestido do costureiro Christian Dior. Veja mais fotos de Richard Avedon Aqui