sábado, 30 de outubro de 2010

Sem perder a ternura jamais

© Foto de Gregory Colbert.

Essa belíssima imagem é de autoria do fotógrafo canadense Gregory Colbert. Nascido em 1960, ele retrata há mais de 18 anos a "interação natural entre o homem e os animais", em diversas expedições pela Índia, Egito, Birmânia, Sri Lanka, Quênia, Etiópia, Namíbia, Tonga, Antártida, Equador, entre outros. Leia mais sobre o fotógrafo Aqui

Enrique Metinides, o fotógrafo das catástrofes

© Foto de Enrique Metinides. Cabo de alta voltagem atinge pedestre na rua, a vítima sobreviveu à descarga elétrica. México, 1958.

As vítimas de acidentes de trânsito, os eletrocutados, afogados e suicidas são os protagonistas das imagens chocantes do fotógrafo mexicano Enrique Metinides, de 74 anos, agora reformado. As imagens coloridas e em preto e branco representam cinqüenta anos de carreira Metinides, que entre 1940 e 1993, trabalhou para o diário mexicano La Prensa. Desde 2002 tem exibido em grandes museus na Europa, incluindo na Casa de América, em Madri, por ocasião da mostra Foto Espanha. Metinides perdeu o medo da tragédia no início dos 11 anos de idade quando viu um cadáver decapitado em uma delegacia policial no México. Desde então, ele desenvolveu a fotografia estômago, com uma estética semelhante ao do detetive de filmes policiais, a mais grotesca catástrofe, a partir de suicídios e homicídios de roubos armados, incêndios devastadores, enforcamento e afogamento. Para fotografar as catástrofes logo após que elas ocorressem, Metinides foi treinado em primeiros socorros onde se infiltrava em ambulâncias e patrulhas policiais. Veja mais fotos Aqui

sexta-feira, 29 de outubro de 2010

Images&Visions comemora três anos de existência

© Foto de Philippe Halsman. Auto-retrato em família.

O blog Images&Visions completou ontem, dia 28 de outubro de 2010, três anos de existência. Nesse período ultrapassou a marca de meio milhão de visitas provenientes de várias partes do Brasil e do mundo. Tudo começou no final do ano de 2007 quando nasceu o blog. Nessa época havia uma enorme dificuldade de encontrar informações sobre fotografia na mídia tradicional. Hoje os blogs se tornaram parceiros importantes na divulgação de eventos fotográficos que ocorrem no Brasil e no mundo. Foram muitas as noites mal dormidas, sempre com aquela preocupação de atualizá-lo diariamente, tentando sempre trazer a informação em primeira mão. Valeu o esforço, nos dias de hoje o blog recebe uma media de 1200 visitas diárias, sendo um dos finalistas do Top Blog Prêmio 2010, na categoria Cultura, premiação que será divulgada no próximo dia 10/11. Nesse terceiro aniversário, o Images&Visions continua firme o seu caminho. Agradeço a todos os leitores e colaboradores, que tornaram possível essa proposta de celebrar a fotografia em todas as suas vertentes.
Fernando Rabelo-Editor

Madrid, região inédita

© Foto de Francisco Manso. Imagem que compõe a mostra “Madrid, região inédita”, com fotografias da capital espanhola.

Será aberta na próxima quinta-feira, dia (4/11), no Instituto Cervantes de Brasília a exposição fotográfica “Madrid, região inédita”, com imagens da capital espanhola, através das lentes de Francisco Manso. Os lugares mais significativos e singulares da Região de Madri ficam refletidos em 31 fotografias de grande formato apresentadas nesta exposição das 110 imagens registradas pelo artista madrileno Fernando Manso. O fotografo realizou este trabalho dependendo muito da luz, das nuvens e da névoa da região, distanciando-se do tópico sobre o céu de Madri. "procurei evitar o céu azul e buscar uma sensação mais pessoal, que combinasse mais com meus sentimentos de beleza" Demorou um ano até conseguir "fotos puras de amanheceres, com a luz da aurora ou a neblina da manhã" segundo próprio Manso. Para este projeto procurou lugares e vistas de Madri não muito comuns, "este lugares inacessíveis possuem uma carga sensitiva e artística de muita beleza". Assim, a exposição pode ser considerada um canto poético a Madri, realizado por um poeta de câmera. Uma mensagem de tal intensidade, que só pode chegar ao espectador através da extrema qualidade técnica que o artista aplica a cada uma de suas visões. A mostra ficará em cartaz até o dia 11 de dezembro, com entrada franca e livre para todas as idades. Serviço: Exposição Fotográfica Madrid, região inédita, fotografias de Francisco Manso. De 04 de novembro a 11 de dezembro de 2010, de segunda a sábado, 9 às 20 horas (segunda a sexta) e 9 às 12 horas (sábados). Espaço Cultural do Instituto Cervantes. SEPS 707/907 - conj. D - Asa Sul. Informações: (61) 3242-0603. Entrada franca. Fonte: Cris Cavalli/ Instituto Cervantes

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Galeria Vermelho exibe a primeira individual do coletivo Cia de Foto

© Foto da Cia de Foto. Série Carnaval.

A Galeria Vermelho em São Paulo recebe até o dia 13 de novembro de 2010, a mostra intitulada “Entretanto”, primeira individual do coletivo Cia de Foto. O nome é uma analogia aos procedimentos adotados pelo coletivo, que transforma o contexto original das imagens por meio da incorporação de instrumentos técnicos. A série Carnaval, por exemplo, é composta por seis imagens manipuladas digitalmente. Os efeitos distorcem completamente o sentido original das fotos e dão a elas um novo significado. Uma parceria do coletivo Cia de Foto com o Dj Guab gerou uma composição exclusiva, baseada no código binário dos arquivos originais da série. Esse material foi aliado a mixagem de quatro fontes sonoras com sons sampleados durante o carnaval da Bahia, ocasião em que as imagens foram capturadas originalmente. Uma outra série de retratos criados para câmera de vídeo e intitulada Longa Exposição está entre as obras de Entretanto. Serviço: Mostra Entretanto. Até 13 de novembro de 2010. Terça a sexta, das 10h00 às 19h00. Galeria Vermelho. Rua Minas Gerais, 350. São Paulo. Grátis. Informações: (11) 3138-1520 ou Aqui

Canal Brasil exibe documentário sobre o fotógrafo Cássio Vasconcellos

© Foto de Cássio Vasconcellos.

O programa Foto em Cena do Canal Brasil (66 Globosat), que vai ao ar hoje, quinta-feira, dia 28 de outubro de 2010, às 20h15, entrevista o fotógrafo brasileiro Cassio Vasconcellos. "A fotografia é uma maneira, um passaporte, um pretexto pra gente conhecer o mundo, conhecer outros lugares. Sem a câmera, nossa mobilidade é muito menor. A câmera é o que dá mobilidade para você se enfiar nos becos, viajar, procurar detalhes. Se você não estiver com a câmera, acho que perde seu potencial", afirma Cassio, que nasceu em São Paulo em 1965. Iniciou a sua carreira em 1981 na Escola Imagem Ação. Sempre voltado para projetos artísticos, Cassio já expôs em várias partes do mundo. Serviço: Cássio Vasconcellos é o entrevistado do programa Foto em Cena no Canal Brasil. Quinta-feira, dia 28 de outubro de 2010, às 20h15 horas. Reprises: sexta, dia 29 às 06h30, sexta, dia 29 às 18h05, sábado, dia 30 às 11 horas. Veja mais fotos de Cássio Vasconcellos Aqui

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Revista Photo Magazine rememora a história da fotografia do Jornal do Brasil

A edição da Photo Magazine sobre a fotografia do JB.

Acaba de chegar às bancas a última edição da Revista Photo Magazine, que traz uma bela reportagem assinada por André Teixeira sobre a história da fotografia no Jornal do Brasil. "No último dia 31 de agosto, o JB lançou sua última edição em papel. A partir dessa data, só pode ser lido numa versão digital, pela Internet. A mudança foi anunciada como uma adaptação aos tempos modernos, um pioneirismo justificado pela queda do número de leitores de jornais, fenômeno registrado não apenas no Brasil, mas em todo o mundo. O JB estaria, assim, mais uma vez, à frente da concorrência, indicando caminhos que, cedo ou tarde, seriam trilhados pelos outros veículos. Se a decisão é acertada ou apenas mais um capítulo de uma lenta agonia, só o tempo dirá. O fato é que, com a mudança, houve mais uma leva de demissões, inclusive no departamento de fotografia, que ficou com apenas três profissionais. Triste panorama para os admiradores do fotojornalismo, que teve no JB uma de suas grandes escolas, com nomes do calibre de Evandro Teixeira, Alberto Jacob, Erno Schneider, Custodio Coimbra e tantos outros. Uma seleção de craques, que fez do jornal o maior colecionador de prêmios Esso de Fotografia – nove, no total", diz a revista.

Workshop de Simonetta Persichetti no Rio

© Foto Joan Fontcuberta. No workshop de Simonetta Persichetti, haverá reflexões sobre autores como Umberto Eco, Laurent Gervereau, Lorenzo Vilches, Joan Fontcuberta e Giuseppe Mininni.

O Ateliê da Imagem Espaço Cultural promove no próximo sábado, dia 30 de outubro de 2010, o workshop A Crítica Fotográfica, com Simonetta Persichetti, jornalista, mestre em Comunicação e Artes e doutora em Psicologia Social. “Analisar uma imagem é muito mais do que simplesmente reconhecer seu traço primeiro. É preciso entender as estéticas fotográficas. Vamos partir de um conceito – entre os muitos possíveis, já que a fotografia é polissêmica, é que antes de mais nada ela pertence à esfera da comunicação! Quem fotografa quer dizer algo! Qual a função de uma imagem fotográfica? Devemos partir da premissa que fotografias não documentam objetos ou pessoas, mas documentam conhecer história da fotografia e compreender a criação fotográfica dentro de um contexto sócio histórico. Além de tudo precisamos entender como construir uma crítica e um texto crítico nosso imaginário. A significação das mensagens fotográficas é culturalmente determinada. E sua recepção necessita de códigos de leitura. Só depois deste conhecimento prévio poderemos exercer o papel de crítico da fotografia. Neste caminho teremos ajuda de autores como Umberto Eco (“Interpretação e Super Interpretação e os Limites da Interpretação”); Laurent Gervereau (“Histoire Du visuel au XX siècle”); Lorenzo Vilches (“La Lectura de la Imagen”), Joan Fontcuberta (“Estética Fotográfica”), Giuseppe Mininni (“Psicologia Cultural da Mídia”). Analisaremos também críticas de fotografia publicadas na imprensa. Diferença entre reportagem cultural e crítica”, afirma Simonetta Persichetti. Serviço: Workshop A Crítica Fotográfica, com Simonetta Persichetti. Ateliê da Imagem Espaço Cultural, Av. Pasteur, 453 (2541-3314). Dia 30 de outubro, de 9h30m às 18h30m, com uma hora para o almoço. R$350,00.

terça-feira, 26 de outubro de 2010

Arte, cultura e fotografia na ECA-USP

© Foto de Henri Cartier-Bresson. Helouise Costa, uma das debatedoras, fala sobre a assimilação da obra de Henri Cartier-Bresson no Brasil.

O Centro de Pesquisa Arte & Fotografia do Departamento de Artes Plásticas (CAP) da Escola de Comunicação e Artes (ECA) da USP realiza a sexta edição do Seminário Arte, Cultura e Fotografia entre os dias 8 e 12 de novembro de 2010, entre 14 e 18 horas. O tema desta edição é "Espaços e Correspondências". O objetivo é discutir estudos na área da História da Arte, História e outros campos do conhecimento que tenham como foco a fotografia ou a imagem fotográfica. Dentre os participantes estão pesquisadores, artistas e críticos, como Helouise Costa, professora da Divisão de Pesquisa em Arte, Teoria e Crítica do Museu de Arte Contemporânea (MAC) da USP, que falará sobre a assimilação da obra de Henri Cartier-Bresson no Brasil. Além disso, o evento conta com a participação de Laura Malosetti Costa, da Universidad de Buenos Aires, e Diana Wechsler, da Universidad de Buenos Aires e da Universidad Tres de Febrero (Argentina). As inscrições vão até dia 5 de novembro, das 10 às 17 horas, e devem ser feitas pelo telefone (11)3091-4430. Também é possível solicitar fichas de inscrição pelo email artefotografia@usp.br. A taxa é de R$20,00 por dia do evento e as vagas são limitadas. O local do evento é o Auditório do MAC, que fica na Rua da Praça do Relógio, 160, Cidade Universitária, São Paulo. Mais informações Aqui e Aqui

O seqüestro do avião Caravelle em 1970

© Foto de Hamilton Corrêa. Membros da FAB retomam o avião da Cruzeiro do Sul PP-PDX seqüestrado e prendem os terroristas em ação fulminante. Rio de Janeiro, 1970.

Esse registro feito pelo fotógrafo Hamilton Corrêa, mostra a ação das forças de segurança para por fim ao seqüestro de um avião Caravelle da Cruzeiro do Sul em 1970, no aeroporto do Galeão, no Rio. O Caravelle foi retomado por membros da FAB, que prendeu os terroristas em uma ação fulminante. Os seqüestros de aviões durante o regime militar (foram 26 ao todo, entre tentativas e sucessos) eram abafados pela censura.

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Marc Riboud Fotógrafo

© Foto de Marc Riboud. Khyber Pass, Afeganistão, 1955.

A Aliança Francesa e o Centro Cultural Justiça Federal no Rio, abrem na próxima quarta-feira, dia 27 de outubro de 2010, às 19 horas, a exposição "Marc Riboud Fotógrafo", que exibe as 40 fotografias mais representativas de sua carreira. Marc Riboud, 87 anos, é um dos ícones da Agência Magnum ao lado de Cartier-Bresson, Robert Capa e George Rodger. Remanescente da geração de humanistas surgida na França após a segunda guerra, Riboud traz para o Rio as fotos mais representativas dos 50 anos de carreira. Todos nós conhecemos alguma imagem de Riboud, seja o alegre pintor na Torre Eiffel em 1953 ou a jovem norte-americana enfrentando o exército com uma flor durante os protestos contra a Guerra do Vietnã. Antes de chegar ao Rio de Janeiro, essa mostra já passou por Fortaleza, Salvador, Brasília e Recife. Serviço: Exposição Marc Riboud, Fotógrafo. De 28 de outubro a 05 de dezembro (de terça a domingo). Horário: das 12h às 19h. Centro Cultural Justiça Federal. Av. Rio Branco, 241 – Centro. Tel.: (21) 3261.2550. Entrada Franca.

O premiado fotojornalista italiano Francesco Zizola desembarca no Rio

© Foto de Francesco Zizola. O premiado fotojornalista italiano desembarca no Rio para ministrar um workshop no Ateliê da Imagem, nos dias 27 e 28 de outubro de 2010.

O premiado fotojornalista italiano Francesco Zizola desembarca no Rio para ministrar um workshop no Ateliê da Imagem, nos dias 27 e 28 de outubro de 2010. No dia 29, também no Ateliê, será aberta a exposição Onda Carioca, a primeira individual do fotógrafo no Rio de Janeiro, com curadoria de Simonetta Persichetti. No dia 26 de outubro também assinará seu livro "Born Somewhere" na FNAC do Barrashopping a partir de 19h. Nascido em Roma em 1962, Francesco Zizola é formado em antropologia, desde 1986 assume sua carreira de fotojornalista publicando nas mais diversas revistas no mundo todo. Recebeu por oito vezes o World Press Photo, inclusive sendo considerado o melhor fotógrafo do mundo em 1996 por seu trabalho sobre os trabalhadores de minas em Angola. Durante os últimos 20 anos fotografou os maiores conflitos pelo mundo todo. Em 2007, publica seu livro “Iraq”, editado pela Anistia Internacional e em 2000 “Born Somewhere”, resultado de 13 anos de documentação sobre a infância realizada em 28 países. Em 2007 junto com Claudio Palmisano funda a galeria de arte e laboratório fotográfico 10bPhotography, onde realizam exposições, workshops, seminários. Mais informações (2541-3314).

domingo, 24 de outubro de 2010

Foto de Domingo: Philippe Halsman

© Foto de Philippe Halsman. Alfred Hitchcock durante as filmagens de The Birds, 1962.
Veja mais fotos de Philippe Halsman Aqui

Duelo cruel

© Foto de Gustavo Cuevas. O toureiro Julio Aparicio no momento em que um touro ferido atravessa seu pescoço com o chifre. Madrid, 2010.
(clique na imagem para ampliar)

A impressionante fotografia feita por Gustavo Cuevas, fotógrafo da Agencia EFE, na praça de touros de Madrid, em maio passado, venceu ontem, sábado dia 23/10, o concurso organizado pelo 3º Congresso Mundial de Agências de Notícias, na cidade argentina de Bariloche. A imagem mostra o toureiro Julio Aparicio tendo o pescoço atravessado pelo chifre de um touro ferido. "Para tranquilizar a todos, a fotografia é dramática, mas o toureiro sobreviveu e voltou às touradas", disse o presidente da Agência Efe, Álex Grijelmo. O diretor de fotografia da agência oficial argentina "Télam", Claudio Fanchi, destacou que a imagem tirada por Cuevas tem "uma única virtude: não precisa de explicação". Fonte: EFE

sábado, 23 de outubro de 2010

João Silva fica gravemente ferido ao pisar em uma mina terrestre no Afeganistão

© Foto de João Silva. Soldado norte-americano atingido por um sniper é arrastado por outro militar, em Karmah, no Iraque, 2006.

O fotojornalista português João Silva, do jornal "The New York Times", ficou gravemente ferido neste sábado, dia 23/10, ao pisar em uma mina terrestre no sul do Afeganistão, onde acompanhava uma unidade do Exército dos Estados Unidos, informou o NYT em sua edição digital. João Silva, de 44 anos, foi atingido nas pernas quando se encontrava nas proximidades da localidade afegã de Arghandab, de onde foi levado em um helicóptero para Kandahar, onde há uma base aérea da Força Internacional de Assistência à Segurança (Isaf) da Otan. O fotojornalista João Silva nasceu em Lisboa, em 1966, viveu em Moçambique até 1976 e depois emigrou para a África do Sul. Em 2005, ganhou o 2º prêmio na categoria Temas Contemporâneos do World Press Photo. Em 2007 recebeu uma menção honrosa na categoria Spot News, por um portfólio publicado no New York Times sobre o ataque de um sniper a uma patrulha do Exército norte-americano, em Karmah, no Iraque. É considerado pelos seus colegas como um dos melhores fotógrafos de conflitos. João Silva ficou conhecido ao publicar junto com o fotógrafo Greg Marinovich o livro “O Clube do Bangue-Bangue”. Trabalhando para jornais do país e agências internacionais, os amigos Ken Oosterbroek, Kevin Carter, João Silva e Greg Marinovich fotografavam os conflitos na periferia de Joanesburgo. Os quatro ganharam um apelido de uma revista sul-africana: Clube do Bangue-Bangue - rótulo a que resistiram inicialmente, mas que terminaram por assumir. As fotos do Clube contribuíam para chamar a atenção do mundo para o que ocorria na África do Sul e receberam prêmios internacionais, como o Pulitzer. Veja fotos de João Silva Aqui

sexta-feira, 22 de outubro de 2010

França exibe a obra do fotógrafo brasileiro Mario Cravo Neto (1947-2009)

© Foto de Mário Cravo Neto. Luciana, 1994.

Na ocasião do Mois de la Photo 2010, a Galerie Esther Woerdehoff em Paris abriu a mostra intitulada Corpo & Alma, do fotógrafo brasileiro Mario Cravo Neto (1947-2009). A obra de Mário Cravo Neto tem como principal característica a ligação com o universo afro-cristão existente na cidade onde nasceu, Salvador. Serviço: Exposição Mario Cravo Neto Corpo & Alma.Galerie Esther Woerdehoff. 36, rue Falguiere, 75015 Paris – France. Tel: 33(0)1 43 21 44 83. Até 24 de dezembro de 2010.

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

Apenas um fotograma

© Foto de Evandro Teixeira. Chico Buarque, Tom Jobim e Vinicius de Moraes.
Rio de Janeiro, 1979.

Era o aniversário do Vinicius de Moraes em 1979, na Carreta, uma churrascaria de intelectuais da época em Ipanema. O fotógrafo Evandro Teixeira estava lá para fazer uma matéria para o Caderno B do Jornal do Brasil. De repente Vinicius chamou o Chico Buarque e o Tom Jobim e disse: “Então vamos fazer uma foto diferente!”, eles foram para os fundos da churrascaria onde havia umas mesas e deitaram-se encima delas. “Eu, na correria, naquele nervosismo, subi em um tamborete, fiz um clique. Aí, caí do tamborete e a máquina enguiçou com o tombo no chão e aí prendeu o obturador. E não bati mais nada. E eu só fiz esse fotograma” contou Evandro. Até hoje é uma das fotos mais publicadas em jornais, livros e revistas do Brasil. Veja mais fotos de Evandro Aqui

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

Encontro em São Paulo celebra a fotografia latino-americana

© Foto de Joan Fontcuberta.

Começa hoje, dia 20 de outubro de 2010, no Itaú Cultural, em São Paulo, o 2º Fórum Latino-Americano de Fotografia, sob o tema Fora de Casa Fora do Eixo / Exílios e Migrações. Com a coordenação do fotógrafo e produtor cultural Iatã Cannabrava, o evento cria uma plataforma de discussão e reflexão e difusão da fotografia na região. O evento dá continuidade à primeira edição, realizada em 2007 no mesmo instituto, a partir da qual a fotografia brasileira intensificou a sua rede de relações com os demais países da América Latina e gerou uma ampla série de intercâmbios entre artistas, museus, curadores, galerias, festivais e encontros dos diversos países da região. O evento engloba mesas de debates, entrevistas, workshops, leituras de portfólio, exposição imagética, Fórum Virtual e leva ao instituto 65 convidados entre fotógrafos internacionais de renome, como o norte-americano Alec Soth, o cubano Abelardo Morell, o inglês Martin Parr e o catalão Joan Fontcuberta. O fórum agrega, ainda, a exposição de fotografia latino-americana ”Histórias de Mapas, Piratas e Tesouros” que traz mais 20 convidados e apresenta 66 imagens. Serviço: 2º Fórum Latino-Americano de Fotografia de São Paulo-Fora de Casa Fora do Eixo / Exílios e Migrações na Fotografia. De 20 a 24 de outubro. Itaú Cultural. Avenida Paulista, 149, Estação Brigadeiro do Metrô. Fones: 11. 2168-1776/1777. Mais informações Aqui

terça-feira, 19 de outubro de 2010

MASP exibe fotos feitas por Wim Wenders


© Foto de Wim Wenders. Street Corner - Butte. Montana", 2003.

Será inaugurada amanhã, dia 20 de outubro de 2010, a mostra Lugares, Estranhos e Quietos, com 23 fotos inéditas do cineasta alemão Wim Wenders, um dos nomes mais expressivos do Novo Cinema Alemão. Wenders tem uma extensa produção fotográfica e há duas décadas as exibe em alguns dos principais museus do mundo. O evento faz parte da programação da 34ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo. Diretor de importantes filmes nas últimas três décadas, entre eles Paris, Texas (1984), Asas do Desejo (1987) e Buena Vista Social Club (1999), o cineasta será homenageado durante a exposição com exibições de Asas do Desejo e Paris, Texas. A exposição fica em cartaz no 1º andar do MASP de 21 de outubro a 16 de janeiro de 2011. Serviço: Mostra Lugares, Estranhos e Quietos. MASP - Av. Paulista, 1578; (11) 3251-5644. Visitação: terça, quarta, sexta e domingo, das 11h às 17h30; quinta, das 11h às 19h30. Até 09/01/2011. Ingressos: R$ 15,00 (grátis para menores de 10 anos e maiores de 60). Veja mais fotos de Wim Wenders Aqui

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Um raio na Estátua da Liberdade

© Foto de Jay Fine. Foram feitas 81 fotografias até capturar o momento em que o raio atinge a Estátua da Liberdade. NYC, EUA, 2010.

O fotógrafo norte-americano Jay Fine esperou mais de 40 anos para conseguir fotografar o exato momento em que um raio atinge Estátua da Liberdade. Com 58 anos de idade, Jay está sempre lendo as previsões meteorológicas para saber quando as tempestades estão chegando. Nesse dia, ele realizou 81 fotografias até capturar o momento certo em que o raio atingiu a Estátua da Liberdade. Mesmo assim, ele afirma que foi um golpe de sorte. Estima-se que o monumento seja atingido por 600 raios por ano.

O crítico e historiador da arte Michael Fried ministra palestras no Rio e São Paulo

© Foto de Luc Delahaye. O historiador da arte Michael Fried baseou seus estudos nos fotógrafos Jeff Wall, Cindy Sherman, Hiroshi Sugimoto, Thomas Struth, Thomas Ruff, Andreas Gursky e Luc Delahaye, entre outros.

O crítico e historiador da arte norte-americano Michael Fried chega ao Brasil para proferir palestras no Rio de Janeiro e em São Paulo. Os dois encontros serão gratuitos: o primeiro, dia 20 de outubro (quarta-feira), às 20h, no Centro Cultural do IMS no Rio de Janeiro; o segundo, dia 25 de outubro (segunda-feira), também às 20h, no Centro Universitário Maria Antonia - USP, em São Paulo. Esses encontros visam debater a importância da fotografia para a arte hoje. A palestra é baseada no importante livro de Fried Why photography matters as art as never before (Yale University Press, 2008), não publicado em português. O autor traça um panorama da importância da fotografia a partir do final dos anos 1970, quando sua produção, afastando-se das suas funções jornalísticas, se difunde e passa a ser tema de galerias e museus. O livro, e conseqüentemente a palestra, incluem estudos aprofundados sobre os fotógrafos Jeff Wall, Cindy Sherman, Hiroshi Sugimoto, Thomas Struth, Thomas Ruff, Andreas Gursky, Luc Delahaye, entre outros. O livro Why photography matters as art as never before foi selecionado como o melhor livro sobre fotografia e arte em 2008, por Alan G. Artner, do Chicago Tribune. Serviço: Rio de Janeiro: 20 de outubro (quarta-feira), às 20h. Instituto Moreira Salles. Rua Marquês de São Vicente, 476 – Gávea. Tel.: (21) 3284-7400. Entrada gratuita. Lugares limitados. Tradução consecutiva. São Paulo: Centro Universitário Maria Antonia – USP. Rua Maria Antonia, 294 – Vila Buarque. Tel: (11) 3123-5201. Entrada gratuita. Retirada de senhas meia hora antes do evento.

Livro interpreta a historia das revoluções através da fotografia

Capa do livro Revoluções, de Michael Löwy.

Será lançado no dia 26 de outubro de 2010, no Teatro Tuca, na PUC-SP, o livro Revoluções (Editora Boitempo), de Michael Löwy, que reúne os principais registros fotográficos dos processos revolucionários do final do século XIX até a segunda metade do século XX. “Não se trata de ilustrar a história dos acontecimentos com fotografias, como se faz habitualmente, mas de tentar descobrir o que cada fotografia nos ensina sobre estas revoluções” afirma Michael Löwy. O livro percorre a diversificada experiência das lutas populares por meio de imagens raras, como as fotografias da Comuna de Paris, e clássicas, como as de Lenin e Trotski na Rússia. Para Michael Löwy, “as fotos de revoluções revelam ao olhar atento do observador uma qualidade mágica, ou profética, que as torna sempre atuais, sempre subversivas. Elas nos falam ao mesmo tempo do passado e de um futuro possível”. O livro foi sucesso de público e crítica tão logo foi lançado na França, em 2000, Revoluções teve sua primeira edição esgotada rapidamente. Nascido no Brasil, formado em Ciências Sociais na Universidade de São Paulo, o sociólogo Michael Löwy vive em Paris desde 1969. É diretor emérito de pesquisas do Centre National de la Recherche Scientifique (CNRS). Homenageado, em 1994, com a medalha de prata do CNRS em Ciências Sociais, é autor de A teoria da revolução no jovem Marx (Vozes, 2002), Walter Benjamin: aviso de incêndio (Boitempo, 2005) e Lucien Goldmann ou a dialética da totalidade (Boitempo, 2009), dentre outras publicações. Serviço: Lançamento do livro Revoluções, de Michael Löwy, com exibição do filme Utopia e Barbárie, de Silvio Tendler. Dia: 26/10/2010, terça-feira, às 18h30. Debate entre Löwy e Tendler, às 20h30. Local: Teatro Tuca PUC-SP. Rua Monte Alegre, 1.024. Perdizes, São Paulo.

domingo, 17 de outubro de 2010

Foto de Domingo: Gordon Parks

© Foto de Gordon Parks. Ingrid Bergman na ilha de Stromboli, ao Norte da Sicília, 1949.
Veja mais fotos de Gordon Parks Aqui

sábado, 16 de outubro de 2010

Guto Kuerten vence o 32º Prêmio Vladimir Herzog de Jornalismo

© Foto de Guto Kuerten. Durante 10 minutos, o repórter fotográfico do Diário Catarinense testemunhou de longe dois policiais militares agredindo o homem. A cena foi registrada em 141 fotos.

O repórter fotográfico Guto Kuerten, do Diário Catarinense venceu o 32º Prêmio Vladimir Herzog de Jornalismo na categoria fotografia com a série intitulada "Tortura em domicílio" que mostra um flagrante de violência policial contra um homem desarmado, em Florianópolis. Foi na manhã do dia 5 de março deste ano, no bairro Coqueiros, no Continente. Durante 10 minutos, o repórter fotográfico testemunhou de longe dois policiais militares agredindo o homem, que não reagiu em nenhum momento. A vítima levou tapas no rosto e golpes de cassetete e de um pedaço de pau. A cena foi registrada em 141 fotos. Depois das agressões, os militares fardados foram embora em um carro da Polícia Militar. As fotos foram publicadas em reportagem especial veiculada no DC no dia 7 de março. Após a publicação, os PMs foram afastados do policiamento ostensivo e denunciados pelo Ministério Público pelos crimes de lesão corporal e prevaricação — deixar de fazer o que sua função pública exige, para satisfazer interesse ou sentimento pessoal. O caso está na Justiça. Fonte: Diário Catarinense

A imagem da intolerância racial

© Foto de Stanley Forman "The Soiling of Old Glory". Boston, EUA, 1976.

Essa célebre fotografia intitulada The Soiling of Old Glory, foi feita por Stanley Forman em 05 de abril de 1976, durante um protesto estudantil realizado na cidade de Boston. A imagem mostra um homem negro sendo agredido por um homem branco com a bandeira norte-americana, enquanto outro jovem o agarra por trás. O que mais impressiona é que a multidão observava passivamente essa barbárie. A fotografia foi publicada em todos os jornais do país e venceu o Prêmio Pulitzer em 1977.

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

Exposição reúne 150 imagens de moda feitas por fotógrafos brasileiros

Flávio de Carvalho saiu pelas ruas do centro de São Paulo vestindo blusa com pregas, saia de pregas e sandália para os pés, 1956.

O Brasil também fez história na moda. O Mube (Museu Brasileiro de Escultura), em São Paulo, exibe até o dia 14 de novembro de 2010, a exposição “Flávio de Carvalho desveste a Moda Brasileira da Cabeça aos Pés”. Inspirada nos estudos de Flávio Carvalho – pintor, desenhista e arquiteto que estudou a relação da moda e os movimentos da história entre os anos 30 e 50 – e no livro 30 anos de moda no Brasil ‐ 80, 90, 2000, de Marília Scalzo, a exposição reúne 150 imagens de fotógrafos brasileiros das últimas três décadas como Bob Wolfenson, Gui Paganini, Jacques Dequeker, Daniel Klajmic, Klaus Mitteldorf, Thelma Vilas Boas e Vânia Toledo, mostrando as mudanças da moda desde as ombreiras oitentistas. Nessa foto feita em 1956, Carvalho saiu pelas ruas do centro de São Paulo vestindo blusa com pregas, saia de pregas e sandália para os pés! aquele que seria o ideal de traje tropical – e, mais do que isso, uma libertação para as oprimidas senhoras da época. O projeto tem curadoria de Agnaldo Farias (da Bienal de São Paulo deste ano) e Mariana Lanari. Serviço: Flávio de Carvalho desveste a Moda Brasileira da Cabeça aos Pés. De 15 de outubro a 14 de novembro. De terça a domingo, das 10h às 19h. Mube – Museu Brasileiro de Escultura. Avenida Europa, 218 – São Paulo – SP. Tel:(11) 2594-2601. Entrada Franca.

Ricardo Beliel retrata os moradores do bairro de Santa Teresa, no Rio

© Foto de Ricardo Beliel. O músico Bnegão foi convertido num grafite fotográfico, revivendo a imagem de Elvis Presley gravada por Andy Warhol.

A exposição “Artista da Casa Amarela” que será aberta na próxima terça-feira, dia 19 de outubro de 2010, às 19 horas, no Centro Cultural Justiça Federal, no Rio, reúne quatro artistas que pesquisam suportes e linguagens distintas, e que possuem em comum uma relação profissional e afetiva entre eles e com a própria casa que nomeia a mostra, localizada no bairro de Santa Teresa. Na área da fotografia, a mostra intitulada “Santa Gente – fotografias de Ricardo Beliel” presta uma homenagem ao bairro, em especial aos seus moradores. “Meu trabalho é uma homenagem que faço aos moradores do bairro de Santa Teresa, onde vivo há mais de duas décadas. Mais conhecido pelo histórico bondinho, a arquitetura eclética que sobreviveu às transformações urbanas impostas ao resto da cidade e as festas populares ao longo do ano, o bairro, que parece flutuar sobre o Rio de Janeiro com seu estilo de vida provinciano, é assim graças à também eclética comunidade que o habita”, afirma o fotógrafo. Ricardo Beliel começou sua carreira em 1976, trabalhando como fotógrafo do jornal O Globo, passando depois pela Manchete, Placar, Veja, Isto É, agência F-4, Jornal do Brasil e O Estado de São Paulo. Foi editor de Fotografia da revista Manchete e sub-editor no jornal Lance. Durante seis anos fez parte da agência GLMR & Saga Associés em Paris, produzindo reportagens fotográficas na América Latina e África. Atualmente trabalha como jornalista free-lancer para revistas e jornais de várias partes do mundo. Serviço: Exposição Artistas da Casa Amarela: Dony Gonçalves, José Geraldo Furtado, Ricardo Beliel e Sandra Portto. Local: Centro Cultural Justiça Federal. Inauguração: 19 de outubro de 2010, às 19 horas. Temporada: 20 de outubro a 5 de dezembro. Endereço: av. Rio Branco 241, Centro. Rio de Janeiro. Telefone: 3261-2550.

quinta-feira, 14 de outubro de 2010

Canal Brasil exibe documentário sobre a carreira de Claudia Andujar

© Foto de Claudia Andujar. Série Yanomani .

O fotógrafa Claudia Andujar é a entrevistada do programa Foto em Cena do Canal Brasil (66 Globosat), que vai ao ar hoje, quinta-feira, dia 14 de outubro de 2010, às 20h15. Naturalizada brasileira, de origem húngara, Claudia nasceu na Suíça, em 1931. Após a segunda guerra mundial, emigrou para Nova York, onde iniciou o seu contato com a pintura e a fotografia. Em 1955, mudou-se para o Brasil. Atuou como fotojornalista entre 1960 e 1971, trabalhando para importantes publicações como Realidade e Time. Possui trabalhos em diversas Coleções nacionais (MAM-SP, Coleção Pirelli/MASP, Pinacoteca do Estado de São Paulo) e internacionais (MoMa - Nova York, Amsterdam Art Museum). Através de Darcy Ribeiro, estabeleceu seu primeiro contato com populações indígenas, em 1958. No final da década de 1960, realizou os primeiros registros sobre os índios Yanomani, que passaram a ter importância vital em seu trabalho. Serviço: Claudia Andujar é a entrevistada do programa Foto em Cena do Canal Brasil (66 Globosat). Direção: Debora Setenta. Estréia quinta-feira dia -14 de outubro de 2010, às 20h15. Reprise: Sexta - 15 de Outubro 06h30. Terça - 19 de Outubro 08h40. Veja os outros programas que foram ao ar Aqui

Festival em Milão reúne vários fotojornalistas independentes italianos

© Foto de Pietro Masturzo. Mulheres protestam em cima de uma casa em Teerã. Irã, 2009.

A cidade de Milão vai sediar por três dias, a partir desta sexta-feira, dia 15 de outubro de 2010, a primeira edição do "Independent Foto Festival". Estão programadas várias atividades, como projeções, leituras de portifólios, workshops e exposições, que vão mostrar o trabalho de dezenas de fotojornalistas independentes italianos. São imagens captadas em todo o mundo pelos fotógrafos freelancers italianos, entre eles Pietro Masturzo, ganhador do World Press Photo 2010, com a foto que mostra mulheres protestando em cima de uma casa em Teerã, no Irã. "O tema subjacente de todo o evento é a realidade”, disse Luca Nizzoli Toetti, curador do festival, “o trabalho apresentado é totalmente voltado para o fotojornalismo”, afirmou ele. Participam desta primeira edição, os fotógrafos Nanni Fontana, Alessandro Tosatto e Silvia Morara, Maurizio Garofalo, Francesco Acerbis, Carlo Gianferro e Alberto Giuliani, entre outros. Leia mais Aqui

Artistas e fotógrafos compartilham processos de criação, em São Paulo

© Foto de Gui Mohallem. Welcome Home.

Acontece hoje, quinta-feira, dia 14 de outubro de 2010, às 20h30, na Galeria Olido, em São Paulo, o debate de abertura da exposição Projeto Incubadora. Coordenado pelo professor Ronaldo Entler, o projeto é composto pelos fotógrafos Breno Rotatori, Felipe Russo e Gui Mohallem, em parceria com o artista plástico Lucas Simões, a crítica Lua Cruz e o também fotógrafo Pio Figueiroa. Segundo definição dos integrantes do grupo, a idéia “tem como essência o compartilhamento de processos de criação”. A mostra será inaugurada com um debate aberto ao público. Os fotógrafos afirmam que os participantes “vão poder adicionar uma visão que o grupo ainda não tem”. Em uma segunda etapa, ocorrerá a remodelação da exposição baseando-se nas idéias geradas por esse encontro. “Essa nova fase durará duas semanas e poderá ser vista a partir do dia 28”, afirma Mohallem. Durante todo o período da exposição, os artistas poderão realizar mudanças na estrutura dos trabalhos apresentados inicialmente, acrescentando ou subtraindo imagens, textos ou outros elementos. Serviço: Galeria Olido – espaço expositivo (1º andar). Centro. Abertura (com debate): dia 14/10, 20h30. Visitação de 15/10 a 28/11. 3ª a dom., das 13h às 20h. Grátis.

quarta-feira, 13 de outubro de 2010

Zeka Araújo provoca jogo com a memória afetiva e a imaginação do espectador

© Foto de Zeka Araújo. Imagem da exposição "Balangandãs".

O fotógrafo Zeka Araújo inaugura nesta quinta-feira, dia 14 de outubro de 2010, às 20h, em Juiz de Fora (MG), a exposição Balangandãs, onde migra do fotojornalismo documental para fotografia expressiva. São cerca de 20 imagens que buscam produzir um jogo com a memória afetiva e a imaginação do espectador. O público poderá ver no trabalho de Zeka Araújo técnicas variadas, como imagens de figuras e pinturas ligadas ao universo artístico contemporâneo, que revelam o observador como co-autor e parceiro da construção da foto. Zeca iniciou a carreira no jornal carioca “Diário de Notícias”, tendo produzido também para os periódicos “O Globo”, “Placar”, “Jornal do Brasil” e as revistas o “Cruzeiro”, “Repórter Três” e “Manchete”. Durante três anos, foi correspondente da Editora Abril, em Londres. A mostra Balangandãs faz parte da programação oficial do Festival JF em Foco 2010, que teve início no dia 07 de outubro e segue até 06 de novembro. Em sua terceira edição, o evento oferece 16 exposições abordando vertentes variadas da fotografia contemporânea. As mostras acontecem em centros culturais, restaurantes e galerias de Juiz de Fora. Serviço: Exposição Balangandãs, de Zeka Araújo. Centro Cultural Bernardo Mascarenhas (CCBM). Av. Getúlio Vargas 200 - Centro, Juiz de Fora. Abertura 14 de outubro, quinta-feira, às 20h. De 14 de outubro a 07 de novembro. De terça-feira a sexta-feira, das 9h às 21h, e aos sábados e domingos, das 10h às 16h.

Ricardo Fasanello incorpora o imprevisível de um trem em movimento

© Foto de Ricardo Fasanello. Imagem que compõe a mostra “Janelas Transitórias”.

O fotógrafo Ricardo Fasanello seguiu por outros trilhos em sua nova exposição intitulada “Janelas Transitórias”, que será aberta na próxima quinta-feira, dia 14 de outubro de 2010, às 19 horas, na Galeria da Gávea, no Rio. Ricardo Fasanello libertou o tempo, descongelou o instante do clique e abriu as janelas de sua câmera para o imprevisível. O resultado são as 23 fotografias que integram a exposição Janelas Transitórias, o ponto de vista de quem olha pela janela de um trem em movimento. E que nem sempre – ou quase nunca – registra o que buscou inicialmente. O trem, antes mesmo do cinema, foi quem deu ao homem a sensação de transmissão de uma imagem – enquadrada – em movimento. Como frames de um filme passando diante dos olhos. “Faço esse paralelo entre a janela do trem e a câmera. De dentro do vagão, escolho o que fotografar, mas ao disparar a câmera a imagem daquele segundo já passou, ficou pra trás na paisagem. A exposição trabalha o tempo todo com o imponderável”, explica Fasanello, que iniciou o projeto em 2006, ao fazer uma inesperada viagem de trem (de 17 horas!) de Miami para Nova York.Serviço: Galeria da Gávea. Rua Marquês de São Vicente, 431 – Gávea. Tel.: 2274-5200. De 14 de outubro a 30 de novembro de 2010. Entrada franca. Fonte: Galeria da Gávea.

Retratos do Brasil profundo

© Foto de José Caldas. Imagem que compõe o livro “Retratos do Brasil profundo”.

Será lançado na próxima terça-feira, dia 19 de outubro de 2010, às 19 horas, na Livraria Folha Seca, na histórica Rua do Ouvidor, no Centro do Rio de Janeiro, o livro fotográfico “Retratos do Brasil profundo”, de José Caldas, fotógrafo documentarista com 20 anos de carreira. O livro com prefácio de Rogério Reis traz em imagens a identidade múltipla dos brasileiros que vivem no interior do país e sua relação com os seus ambientes, mostrando suas marcas e silhuetas únicas. Um convite para um olhar humano e inclusivo sobre os muitos interiores do Brasil. José Caldas reuniu sua experiência de anos viajando pelos remotos confins do Brasil: são mais de 80 retratos que valorizam a riqueza cultural e as expressões fora dos centros urbanos. Com as lentes apontadas para o homem do interior, a obra de Caldas busca mostrar como a vida pacata e muitas vezes difícil do sujeito do campo se expressa também de formas diversas e preserva sua dignidade. Premiado fotógrafo sergipano especializado em paisagens, hábitos e no povo do interior do Brasil, José Caldas (1964) tem livros publicados com ensaios sobre o Rio São Francisco, Mata Atlântica, Serra da Canastra, Serra dos Órgãos, Serra do Cipó, Serra da Mantiqueira e Ilha do Bananal. Serviço: Retratos do Brasil profundo. Prefácio de Rogério Reis. Editora Olhares. Preço de capa: R$ 58. Formato: 17,5x23,5cm. Lançamento: 19/10, às 19h. Livraria Folha Seca. Rua do Ouvidor, 37- Centro. Rio de Janeiro.

terça-feira, 12 de outubro de 2010

A submetralhadora de Winston Churchill

Foto de autor desconhecido. O primeiro-ministro do Reino Unido Winston Churchill com a submetralhadora Thompson durante visita às posições de defesa costeira perto de Hartlepool, em 31 de julho de 1940.

A fotografia acima de Winston Churchill com a submetralhadora Thompson foi feita durante a sua visita às posições de defesa costeira perto de Hartlepool, em 31 de julho de 1940. Winston Churchill foi um estadista, escritor, jornalista, orador e historiador britânico, famoso principalmente por sua atuação como primeiro-ministro do Reino Unido durante a Segunda Guerra Mundial. As perspectivas não eram boas para o Reino Unido e seu novo primeiro-ministro. Durante um mês, Hitler se preparava para invadir a Grã-Bretanha. A fotografia de Churchill foi oportuna. Foi utilizada para transmitir uma imagem de estadista líder da guerra. Ambos os lados utilizaram esta fotografia para fins de propaganda. Os nazistas usaram a foto, o comparando aos bandidos do oeste americano.

segunda-feira, 11 de outubro de 2010

Toulouse-Lautrec e a modelo Mirelle

© Foto de Maurice Guibert. O pintor Toulouse-Lautrec e a modelo Mirelle diante da tela intitulada "No salão da Rue des Moulins", 1894.

Essa é uma imagem rara feita pelo fotógrafo Maurice Guibert (1856-1913). Na foto feita em 1894, aparece o pintor Toulouse-Lautrec e a modelo Mirelle, diante do famoso quadro intitulado "No salão da Rue des Moulins".

A imagem símbolo da guerra do petróleo

© Foto de Henri Bureau. A refinaria de Abadan sendo consumida por um gigantesco incêndio após um violento bombardeio aéreo na fronteira entre o Irã e o Iraque, 1980.
(Clique na imagem para ampliar)

A guerra entre o Irã e o Iraque iniciou-se em setembro de 1980. Henri Bureau, fotógrafo da Agência Sygma, estava do lado iraquiano da fronteira. De lá se percebia as colunas de fumaça escurecendo o céu do lado iraniano. Era a refinaria de Abadan, uma das maiores do mundo sendo consumida por um gigantesco incêndio após um violento bombardeio aéreo. Somente em 1993, após ser reconstruída, que a refinaria voltou a funcionar. A foto foi publicada no mundo inteiro e se tornou um símbolo dessa estúpida e suja guerra do petróleo.

domingo, 10 de outubro de 2010

sábado, 9 de outubro de 2010

Um cavalo talibã

© Foto de Seamus Murphy. Jovem se assusta com o cavalo de um talibã após o amanhecer na aldeia de Ghulam Ali, na província de Parwan, no Afeganistão.

Essa bela fotografia de autoria do fotojornalista irlandês Seamus Murphy mostra uma criança assustada com o cavalo de um talibã, após o amanhecer na aldeia de Ghulam Ali, na província de Parwan, no Afeganistão. Seamus Murphy se tornou conhecido internacionalmente por seu trabalho no Afeganistão e no Oriente Médio. Em 2004, sua exposição sobre o Afeganistão foi visitada por mais de 10 mil pessoas em Londres. Murphy já foi seis vezes vencedor do prêmio World Press Photo, a principal premiação para o fotojornalismo mundial. Em 2008 Seamus Murphy publicou um livro que reúne imagens feitas nos 12 anos em que passou fotografando o Afeganistão. Intitulado A Darkness Visible, o livro traz fotos do cotidiano do país durante os anos de guerra civil. Veja mais fotos Aqui

Um fotógrafo na porta do inferno

© Foto de J.F. Diorio/AE. Jovem se desespera durante incêndio na favela do Buraco Quente, em São Paulo. 2004.

Essa fotografia foi feita em agosto de 2004, pelo fotojornalista J.F. Diorio, do Jornal "O Estado de São Paulo", durante um incêndio na favela do Buraco Quente em São Paulo. Em quatro horas, o fotógrafo realizou mais de duzentas imagens. Segundo J.F. Diorio, foi o Armando Favaro, que era Editor de Fotografia do Estadão na época, que logo percebeu a força e a dramaticidade dessa imagem. A foto foi publicada na primeira página do Estadão. Posteriormente a revista Times a escolheu como a melhor foto da semana. Essa mesma fotografia venceu World Press Photo 2004, na categoria Notícias Gerais.

Pete Turner, o “mago-fotógrafo”

© Foto de Pete Turner. Girafa, 1964.

O fotógrafo norte-americano Pete Turner está apresentando a sua primeira retrospectiva em Paris. Há cinqüenta anos que Pete vem realizando trabalhos de publicidade (Bacardi, BMW, Volkswagen…) e editoriais (Good Housekeeping, Esquire, Look…). Fotógrafo colorista de origem, Pete é conhecido como um dos 20 mais influentes fotógrafos de todos os tempos. Suas fotografias fazem parte das coleções permanentes em grandes museus do mundo, como a Maison Europénne de La Photograhie em Paris, o Tokyo Metropolitan Museum of Photography e o ICP em Nova York. Serviço: Pete Turner, « Four directions in colors ». De 07 de outubro a 20 novembro de 2010, na Galerie Orenda, 54 rue de Verneuil, Paris 7e. Veja mais fotos de Pete Turner Aqui

sexta-feira, 8 de outubro de 2010

Desdenhando a juventude

© Foto de Henri Cartier-Bresson. Senhora olha desdenhosamente para uma jovem de minissaia na Brasserie Lipp. Paris, 1969.

Essa fotografia feita por Henri Cartier-Bresson em 1969, mostra uma senhora olhando desdenhosamente para uma jovem de minissaia, ambas sentadas no terraço do restaurante Brasserie Lipp, em Saint-Germain des Pres, em Paris. A foto é uma das mais conhecidas de Henri Cartier-Bresson.

A foto do assassinato que chocou o mundo

© Foto de Gianni Giansanti/AP. O corpo do primeiro-ministro da Itália foi encontrado no porta-malas de um carro no centro de Roma, 1978.

Em 09 de maio de 1978, o corpo do primeiro-ministro da Itália Aldo Moro, líder da Democracia Cristã, foi encontrado no porta-malas de um carro no centro de Roma. Aldo Moro tinha sido seqüestrado no dia 16 de março de 1978 por um comando das Brigadas Vermelhas, que matou cinco membros de sua escolta e o obrigou a entrar num Fiat. Depois de 55 dias, aprisionado num apartamento, Aldo foi condenado pela justiça revolucionária “por pertencer a outra classe”. Trinta e dois anos depois da morte de Aldo Moro, ainda persistem dúvidas sobre o papel desempenhado pelo governo italiano durante sua detenção, e alguns ainda acusam as autoridades de ter sacrificado a vida do político. A foto acima de autoria de Gianni Giansanti é uma das imagens mais marcantes da década de setenta.

quinta-feira, 7 de outubro de 2010

Images&Visions é finalista do Top Blog Prêmio 2010


Prezados leitores, começou a votação para o segundo turno do Top Blog Prêmio 2010. O blog fotográfico Images&Visions foi escolhido por ampla votação popular como um dos cem blogs finalistas para disputar o segundo turno na categoria Cultura, onde serão selecionados os três melhores em cada categoria. Esse importante prêmio da blogosfera brasileira é destinado a reconhecer e premiar os blogs brasileiros mais populares, que possuam a maior parte de seu conteúdo focado para o público brasileiro, com melhor apresentação técnica específica a cada grupo (Pessoal, Profissional e Corporativo). Para votar no segundo turno é bem simples, basta clicar no banner do Top Blog que é exibido no alto da página principal do blog Images&Visions, depois de votar você receberá um e-mail do Top Blog pedindo para confirmar o voto. A votação vai até o dia 10 de novembro de 2010. Obrigado pela força. Você pode também votar direto Aqui
Fernando Rabelo-Editor

A "Mala Mexicana" é finalmente aberta ao público

© Foto de Robert Capa. Exilados Republicanos fugindo da Guerra Civil Espanhola a caminho de um campo de refugiados em Barcarès. França, 1939.

O International Center of Photography (ICP), em Nova York, que durante anos foi dirigido por Cornell Capa (irmão de Robert Capa), está exibindo até 09 de janeiro de 2011, a exposição intitulada The Mexican Suitcase, sobre a mala mexicana encontrada em 2007, com 126 rolos de negativos de 35 mm pertencentes a Robert Capa, Gerda Taro e David Seymour. Em 1940, as três caixas com fotos da guerra civil espanhola chegaram às mãos do general mexicano Francisco Javier Aguilar González. Os herdeiros do general que encontraram as imagens, em um primeiro momento, não perceberam a importância da descoberta. Apenas em dezembro de 2007 os negativos foram enviados para Nova York. Os negativos foram processados, digitalizados, impressos em folhas de contato e cuidadosamente estudados por Cynthia Young, curadora assistente ICP, que organizou a exposição e editou o seu catálogo em dois volumes impressionantes. A mostra "A Mala Mexicana" está em exibição até 09 de janeiro no Centro Internacional de Fotografia, 1133 Avenue of the Americas, 43, em Nova York. Leia mais sobre a mala mexicana Aqui

O fotógrafo brasileiro Gui Christ expõe em Amsterdã

© Foto de Gui Christ. Imagem que compõe a mostra “Hoje é dia de Folia”, onde o fotógrafo documenta diversos grupos de Folias de Reis em todo o Brasil.

Durante o mês de outubro Amsterdã estará exibindo a Folia de Reis brasileira. Está em cartaz até o dia 31 de outubro de 2010, a mostra “Hoje é dia de Folia”, do fotógrafo brasileiro Gui Christ. A exposição conta com 21 imagens em cor, que fazem parte do projeto “Hoje é dia de Folia”, onde o fotógrafo documenta diversos grupos de Folias de Reis em todo o Brasil. Com uma abordagem documental “autoral”, sem seguir premissas técnicas, a festa é documentada de forma indireta através de seus personagens e momentos únicos que compõe o rico universo dos Reisados. Gui Christ é fotografo independente desde 2005, e tem trabalhos publicados em países da Europa, Estados Unidos, China e Japão. Seu trabalho é baseado na cultura popular brasileira, e vem chamando a atenção do mercado internacional por retratar um Brasil diferente dos tradicionais estereótipos brasileiros e algumas vezes mostrando realidades desconhecidas para muitos brasileiros. A exposição acontece até o dia 31 de Outubro no espaço cultural “Sugar Factory” localizado em Lijnbaansgracht 238, em Amsterdã. Conheça um pouco mais sobre o projeto Hoje é dia de Folia Aqui

quarta-feira, 6 de outubro de 2010

Helmut Newton sob vigilância

© Foto de Helmut Newton. O fotógrafo Helmut Newton clicando uma modelo nua, sob a vigilância da esposa June. Paris, 1981.

Nesse auto-retrato feito em 1981, Helmut Newton aparece clicando uma modelo nua, sob a vigilância de sua mulher June, que observa atentamente a sessão de fotografias no estúdio da Vogue, na Place du Palais Bourbon, em Paris.“Essa fotografia é uma das minhas favoritas, ela resume bem a minha vida, eu com as minhas modelos, a minha câmera, a minha esposa, o estúdio. Gosto também da expressão engraçada da June enquanto ela olha para a modelo nua”, afirmou certa vez Helmut Newton.

terça-feira, 5 de outubro de 2010

Vídeo mostra o momento em que foi feita a mais dramática foto da Guerra do Vietnã

© Foto de Nic Ut. Avião norte-americano bombardeou a população do vilarejo Trang Bang no Vietnã com bombas de Napalm em 1972, quando o fotógrafo Nick Ut fez a dramática foto que comoveu o mundo.

Um vídeo com um minuto de duração no You Tube, mostra o momento em que um avião norte-americano bombardeou a população do vilarejo Trang Bang no Vietnã com bombas de Napalm, em 1972, quando o fotógrafo Nick Ut fez a dramática foto que comoveu o mundo. A imagem mostra a jovem Kim Phuc de nove anos fugindo do bombardeio pela estrada. O fogo tinha consumido as suas roupas. Veja o vídeo Aqui

segunda-feira, 4 de outubro de 2010

A divina Margaret Bourke-White no topo do edifício Chrysler Building

© Foto de Oscar Graubner. A fotógrafa Margaret Bourke-White no topo do edifício Chrysler Building. Nova York, 1934.

Essa célebre fotografia em que aparece a fotógrafa norte-americana Margaret Bourke-White trabalhando no topo do edifício Chrysler Building, em Nova York, foi feita em 1934, por seu assistente na época, o fotógrafo Oscar Graubner. Margaret Bourke-White (1904-1971) nasceu em Nova Iorque, em 14 de junho de 1904. Tornou-se fotógrafa quando estudava em Cornell University. Ela era aluna de Clarence White na Columbia University e mais tarde abriu seu estúdio em Cleveland onde se especializou em fotografia arquitetônica. Margaret foi a primeira fotógrafa da revista Life. Era uma mulher de esquerda que fez várias viagens para a ex-União Soviética (URSS). Em 1931 publicou "Olhos sobre a Rússia". Profundamente consciente de seu papel, foi a única fotógrafa estrangeira a cobrir os territórios ocupados da União Soviética depois da invasão do exército alemão em 1941. Após a Segunda Guerra Mundial ficou interessada na campanha de não-violência promovida por Gandhi. Nos anos 50, a fotógrafa foi diagnosticada como portadora do mal de Parkinson. Ela recém tinha completado 50 anos quando teve de abandonar a carreira para lutar contra a doença. Foi operada no cérebro por duas vezes, em 1959 e em 1961. Faleceu em 27 de agosto de 1971, aos 67 anos de idade.

Sem perder a foto jamais

© Foto de André Dusek. Fotógrafos e cinegrafistas dependurados num caminhão do Exército durante a parada militar de 07 de setembro. Brasília, 2007.
(Clique na imagem para ampliar)

Essa é outra imagem que mostra bem o cotidiano dos fotojornalistas. Nessa foto, de autoria de André Dusek, vemos vários fotógrafos e cinegrafistas dependurados num caminhão do Exército na Esplanada dos Ministérios em Brasília, durante a parada militar de 07 de setembro, em 2007. O site Foto Coleguinhas do fotojornalista André Dusek, reúne várias imagens que mostram o cotidiano dos repórteres de Brasília. Durante 30 anos de fotografia, Dusek reuniu histórias e fotos dos coleguinhas, como se autodenominam os jornalistas entre si. Veja as fotos Aqui